Ellen G. White Writings

<< Back Forward >>

«Back «Prev. Pub. «Ch «Pg   Pg» Ch» Next Pub.» Forward»

Maranata — O Senhor Vem! , Page 192

Satanás e a tríplice união, 2 de Julho

E adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta. Apocalipse 13:4.

“Tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.” Apocalipse 13:11. Embora professem ser seguidores do Cordeiro de Deus, os homens se tornam imbuídos do espírito do dragão. Eles professam ser mansos e humildes, mas falam e legislam no espírito de Satanás, mostrando por suas ações que são o posto do que professam ser. Esse poder semelhante a um cordeiro se une com o dragão para fazer guerra aos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo. E Satanás une-se com protestantes e católicos, agindo de parceria com eles como o deus deste mundo, dando ordens aos homens como se fossem os súditos de seu reino, para serem manejados, governados e controlados segundo lhe apraz. Se os homens não concordarem em calcar aos pés os mandamentos de Deus, é revelado o espírito do dragão. Eles são presos, levados perante conselhos e multados. “A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita, ou sobre a fronte.” Apocalipse 13:16, 17. “E lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que, não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta”. Apocalipse 13:15. Satanás usurpa, assim, as prerrogativas de Jeová. O homem do pecado assenta-se no templo de Deus, ostentando-se como se fosse Deus e agindo acima de Deus.

Há acentuado contraste entre os que têm o selo de Deus e os que adoram a besta e sua imagem. Os fiéis servos do Senhor depararão com a mais severa perseguição de falsos mestres, que não darão ouvido à Palavra de Deus e prepararão pedras de tropeço a serem colocadas no caminho dos que querem ouvir. Mas o povo de Deus não deve temer. Satanás não pode ir além de seu limite. O Senhor será a defesa de Seu povo. Ele considera o agravo feito a Seus servos por causa da verdade como sendo praticado contra a Sua Pessoa. Quando houver sido feita a última decisão, quando todos houverem tomado partido, ou em favor Cristo e dos mandamentos, ou em favor do grande apóstata, Deus levantar-Se-á em Seu poder, e para sempre será tapada a boca aos que blasfemaram contra Ele. Todo poder oponente receberá a sua punição. — Carta 28, 1900.

«Back «Prev. Pub. «Ch «Pg   Pg» Ch» Next Pub.» Forward»