Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Testemunhos para a Igreja 5

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 39 — Amor fraternal

    Prezados irmãos e irmãs de _____:

    Minha mente tem de contínuo se perturbado por causa da condição em que vocês se encontram. Não pude dormir e levantei-me à meia-noite para escrever a J, a você, bem como à igreja. Não posso imaginar qual seria hoje a situação de J, se vocês houvessem adotado uma atitude correta para com ele, o que qualquer filho de Deus teria feito em tal caso. Alguns dos irmãos não serão capazes de entender minhas palavras, pois seu próprio comportamento os colocou numa posição em que não puderam exercer um discernimento santificado. Vocês nutriram sentimentos duros a respeito dele, e se justificaram ao tratá-lo com desdém. Pensaram os irmãos que pela incredulidade e má conduta desse irmão ele estava com certeza prejudicando a igreja e pondo em perigo as pessoas, e que não deviam manter qualquer tipo de amizade com ele. Mas gostariam os irmãos, à luz do grande padrão de justiça divino, de examinar detidamente cada palavra que disseram e cada ato que praticaram e compará-los com a vida de Cristo? Se houvessem feito a vontade de Deus, então Sua luz e aprovação secundaria seus esforços e o sucesso os contemplaria. Gostaria que os membros dessa outrora próspera igreja concordassem cada um em fazer oposição contra a própria casa. Quando vissem esse comportamento sob sua verdadeira luz, saberiam que cometeram um grande erro ao permitir que o espírito crítico e farisaico controlasse sua língua e se desenvolvesse no tratamento dado a seus irmãos. Essa rudeza anticristã exclui a Jesus da igreja e provoca espírito de dissensão. Ela tem favorecido a disposição de julgar e condenar, e aversão àqueles que não vêem as coisas como vocês. Mesmo que seus irmãos dissessem e fizessem muitas coisas que realmente os ofendessem, vocês os empurrariam para o lado e diriam: “Sou mais santo que vocês”?T5 341.3

    “Por seus frutos os conhecereis.” Mateus 7:16. Cristo não foi revelado no comportamento de vocês perante alguns que estavam muito mais próximos do reino do Céu. O Senhor lhes tem mostrado os erros que cometem para com Seus filhos, como falta de misericórdia e amor, e a determinação de exercer controle sobre as mentes e fazê-las ver as coisas como vocês. Quando a luz chegou até os irmãos, o que vocês fizeram? Admitiram simplesmente que estavam errados ou confessaram sinceramente o erro e humilharam o altivo coração diante de Deus? Desistiram dos próprios caminhos e aceitaram os ensinamentos divinos? Foram vocês até os que ofenderam e feriram, e disseram: “Eu errei. Pequei contra você. Perdoe-me. Falhei. Segui minhas próprias inclinações. Manifestei zelo, mas não de acordo com o entendimento. Agi segundo o espírito de Jeú, e não na mansidão e humildade de Cristo. A Palavra de Deus ordena: ‘Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis.’ Tiago 5:16. Você orará por mim para que Deus me perdoe pela tristeza e angústia que lhe causei?”T5 342.1

    Se vocês que estão empenhados nessa obra de ofender e condenar, sem disposição para se arrepender de coração, então luz, paz e alegria estarão ausentes de sua vida. Quando vocês forem cautelosos, bondosos e ternos para com seus irmãos, no mesmo grau em que foram duros, implacáveis e opressivos; quando confessarem suas faltas, restituindo aquilo que lhes for possível e fizerem tudo o que lhes estiver ao alcance, então poderão pedir ao Senhor para realizar o que lhes é impossível — curar as feridas que fizeram, perdoar-lhes e apagar as transgressões. Quando há tão grande relutância em confessar um erro tão claramente mostrado aos culpados, isso é evidência de que eles são controlados por sua natureza indomável e decaída, antes que pelo espírito do evangelho de Cristo.T5 343.1

    Se Deus tem sempre falado por meu intermédio, digo-lhes que os irmãos têm a mais diligente obra a fazer em zeloso arrependimento, por demonstrarem aos errantes o elemento satânico do caráter de vocês, não apenas em frieza e indiferença, mas em negligência e desprezo. Se estão realmente em trevas e fazendo coisas que põem em perigo sua salvação, vocês deveriam manifestar maior interesse por eles. Mostrem-lhes que conquanto sejam leais aos princípios e não se desviem do direito, vocês os amam. Que eles sintam por suas palavras e ações, que vocês não possuem espírito revanchista e retaliador, mas que, por causa deles, os irmãos sacrificarão os próprios sentimentos e submeterão o eu. Representem a Jesus, nosso Modelo, manifestem Seu espírito em todo o tempo e sob todas as circunstâncias; e que haja em vocês o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus. Os caminhos dos irmãos não têm sido os de Deus; sua vontade não tem sido a divina. A preciosa planta do amor não tem sido cultivada e irrigada pelo orvalho da graça. Amor-próprio, justiça própria e autocomplacência têm exercido um poder controlador.T5 343.2

    O que Jesus tem feito por vocês e o que Ele continuamente está fazendo por nós como indivíduos? O que têm vocês que não hajam recebido? Disse Cristo: “Eu sou a videira, vós, as varas.” João 15:5. “Toda vara em Mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.” João 15:2. Não são os ramos que nutrem a videira, mas essa é que alimenta os ramos. Não é a igreja que alimenta a Cristo, mas Seu poder vital sustenta a igreja. Não é suficiente ser um ramo; precisamos ser ramos frutíferos. Jesus afirmou: “Quem está em Mim, e Eu nele, este dá muito fruto.” João 15:5. Mas se o fruto produzido for o mesmo do espinheiro, é evidente que não somos ramos da Videira Viva.T5 344.1

    A vida é disciplinante. Enquanto no mundo, encontrará o cristão influências adversas. Haverá provocações para provar o temperamento; e é enfrentando essas provas no devido espírito que se desenvolvem as graças cristãs. Se suportamos as injúrias com espírito de mansidão, se reagimos a palavras insultuosas com respostas brandas e a atos opressivos com bondade, isso é prova de que o Espírito de Cristo habita em nosso coração, de que a seiva da Videira Viva está fluindo para os ramos. Estamos na escola de Cristo nesta vida, onde devemos aprender a ser mansos e humildes de coração; e no dia do final ajuste de contas, veremos que todos os obstáculos que encontramos, todas as vicissitudes e contrariedades que somos chamados a suportar, são lições práticas na aplicação de princípios da vida cristã. Quando bem sofridos, desenvolvem semelhança com Cristo no caráter, e distinguem o cristão do mundano.T5 344.2

    Há uma elevada norma a que devemos atingir, caso queiramos ser filhos de Deus, nobres, puros, santos e incontaminados; e é necessário um processo de poda, se queremos alcançar essa norma. Como seria efetuada essa poda, se não houvesse dificuldades a enfrentar, obstáculos a transpor, coisa alguma a exigir paciência e capacidade de resistir? Essas provações não são as menores bênçãos em nossa experiência. Têm como objetivo fixar nossa determinação de vencer. Cumpre-nos usá-las como os divinos meios de obter decididas vitórias sobre o próprio eu, em vez de permitir que elas nos entravem, oprimam e destruam.T5 344.3

    O caráter será provado. Cristo revelar-Se-á em nós, uma vez que sejamos realmente ramos da Videira Viva. Seremos pacientes, bondosos e tolerantes, contentes em meio de atritos e irritações. Dia a dia e ano após ano havemos de vencer o próprio eu e crescer na direção de um nobre heroísmo. Essa é a tarefa que nos é designada; não pode, porém, ser cumprida, sem contínuo auxílio de Jesus, resoluta decisão, inflexível propósito, constante vigilância e incessante oração. Cada um tem uma batalha individual a travar. Cada um precisa abrir o próprio caminho através de lutas e desânimo. O que desiste da luta, perde a força e a alegria da vitória. Ninguém, nem mesmo Deus, nos pode levar para o Céu a menos que façamos o necessário esforço de nossa parte. Importa introduzirmos traços de beleza em nossa vida. Temos de excluir as desagradáveis características naturais que nos tornam diferentes de Jesus. Ao passo que Deus opera em nós o querer e o efetuar Sua boa vontade, cumpre-nos cooperar com Ele. A religião de Cristo transforma o coração. Torna a mente mundana do homem em mente celestial. Sob sua influência, o egoísta se torna abnegado, porque este é o caráter de Cristo. O homem desonesto, astucioso, torna-se reto, de modo que fica sendo uma segunda natureza nele fazer aos outros o que queria que lhe fizessem a ele. O dissoluto é transformado da impureza para a pureza. Forma hábitos corretos; pois o evangelho de Cristo tornou-se para ele cheiro de vida para vida.T5 345.1

    Agora, enquanto dura o tempo de graça, não compete a um proferir sentença sobre outros, e considerar-se como modelo. Nosso modelo é Cristo; imite, ponha os pés em Suas pegadas. Pode-se professar crer em todo ponto da verdade presente, mas a menos que sejam praticadas essas verdades, isso de nada aproveitará. Não nos cumpre condenar a outros; essa não é nossa tarefa; devemos, porém, amar-nos uns aos outros, e uns pelos outros orarmos. Quando vemos uma pessoa se desviar da verdade, podemos então chorar sobre ela como Cristo chorou sobre Jerusalém. Vejamos o que diz nosso Pai celeste em Sua Palavra, a respeito do errante: “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado.” Gálatas 6:1. “Se algum de entre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter, saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.” Tiago 5:19, 20. Que grande trabalho missionário, esse! quão mais cristão é isso do que pobres e falíveis mortais estarem sempre acusando e condenando os que não se ajustam exatamente a seu modo de pensar! Lembremo-nos de que Jesus nos conhece individualmente, e é tocado pelo sentimento de nossas fraquezas. Conhece as necessidades de cada uma de Suas criaturas, e lê a dor oculta, recalcada de cada coração. Se um dos pequeninos por quem Ele morreu é ofendido, Ele o vê, e chama a contas o ofensor. Jesus é o Bom Pastor. Cuida de Suas ovelhas fracas, enfermas e desgarradas. Conhece-as todas pelo nome. Toca-Lhe o coração cheio de compassivo amor a aflição de toda ovelha e todo cordeiro de Seu rebanho, e chega-Lhe ao ouvido o brado de socorro. Um dos maiores pecados dos pastores de Israel, é assim apontado pelo profeta: “A fraca não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não ligastes, e a desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; mas dominais sobre elas com rigor e dureza. Assim se espalharam, por não haver pastor, e ficaram para pasto de todas as feras do campo, porquanto se espalharam. As Minhas ovelhas andam desgarradas por todos os montes, e por todo o alto outeiro; sim, as Minhas ovelhas andam espalhadas por toda a face da Terra, sem haver quem as procure, nem quem as busque.” Ezequiel 34:4-6.T5 345.2

    Jesus cuida de cada um como se não houvesse outra criatura na face da Terra. Como Divindade, exerce forte poder em nosso favor, ao passo que, como nosso Irmão mais velho, sente todas as nossas tristezas. A Majestade do Céu não Se manteve distante da humanidade degradada e pecaminosa. Não temos um sumo sacerdote que Se ache tão alto, tão exaltado que nos não possa notar ou compadecer-Se de nós, mas um que, em tudo, foi tentado como nós somos, ainda que sem pecado.T5 346.1

    Quão diferente desse espírito é o sentimento de indiferença e desprezo que tem sido manifestado por alguns em _____ para com J e os que têm sido afetados por sua influência! Se a transformadora graça de Deus já foi algum dia necessária, ela o é agora nesta igreja. Julgando e condenando um irmão, empreenderam uma obra que Deus não pôs absolutamente em suas mãos. Entremeou-se em sua experiência cristã uma dureza de coração, um espírito crítico, condenatório, tendente a destruir a individualidade e a independência, e desapareceu-lhes do coração o amor de Jesus. Apressem-se, irmãos, a tirar tais coisas de sua vida antes que seja dito no Céu: “Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda.” Apocalipse 22:11.T5 347.1

    Vocês terão muitas perplexidades a enfrentar em sua vida cristã em relação com a igreja; porém, não se esforcem demasiadamente por moldar seus irmãos. Se virem que não satisfazem as reivindicações da Palavra de Deus, não condenem; se eles provocam, não retribuam na mesma moeda. Quando dizem coisas de molde a exasperar, guardem quietamente seu espírito de irritação. Vocês vêem nos outros muitas coisas que parecem erradas, e querem corrigir esses erros. Começam, em suas próprias forças, a trabalhar no sentido da reforma; não o empreendem, todavia, pela devida maneira. Vocês devem trabalhar pelos que erram com o coração subjugado, enternecido pelo Espírito de Deus, e deixem que o Senhor atue por meio de vocês, o instrumento. Passem seus fardos a Jesus. Vocês acham que o Senhor precisa tomar a Si o caso quando Satanás está se esforçando por dominar alguma pessoa; mas devem fazer o que estiver ao seu alcance com humildade e mansidão, e pôr a emaranhada obra, as questões complicadas, nas mãos de Deus. Sigam as orientações dadas em Sua Palavra, e deixem o resultado com Sua sabedoria. Havendo feito tudo quanto possam para salvar um irmão, deixem de afligir-se e prossigam calmamente com os outros deveres urgentes. Aquilo não lhes pertence mais, porém a Deus.T5 347.2

    Não cortem, movido de impaciência, o nó da dificuldade, tornando o caso desesperado. Permitam que Deus desembarace por vocês os enredados fios. Ele é bastante sábio para lidar com as complicações de nossa vida. Ele tem tato e habilidade. Nem sempre Lhe podemos compreender os planos; precisamos esperar pacientemente o seu desdobramento, e não estragá-los ou destruí-los. A seu tempo, Ele no-los revelará. Busquem unidade; cultivem amor e conformidade com Cristo em tudo. Ele é a fonte da unidade e da força; vocês não têm, porém, buscado a unidade cristã, para enlaçar em amor os corações.T5 348.1

    Há trabalho para fazerem na igreja e fora da igreja. “Nisto é glorificado Meu Pai, que deis muito fruto.” João 15:8. O fruto que damos é a única prova da natureza da árvore, perante o mundo. Isto é a demonstração de nosso discipulado. Se nossas obras são de tal caráter que, como ramos da Videira Viva, damos fartos cachos de precioso fruto, então apresentamos diante do mundo o próprio distintivo de Deus como Seus filhos e filhas. Somos cartas vivas, conhecidas e lidas por todos os homens.T5 348.2

    Ora, temo que deixem de realizar a obra que lhes cumpre fazer para redimir o passado e tornar-se ramos vivos, que dêem muito fruto. Se procederem como Deus quer que façam, Sua bênção virá à igreja. Vocês ainda não foram bastante humildes para efetuar uma obra cabal e satisfazer a mente do Espírito de Deus. Tem havido justificação própria, agradar a si mesmo, vingar-se, quando devia ter havido humilhação, contrição e arrependimento. Vocês devem remover toda pedra de tropeço, e fazer “veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja se não desvie inteiramente”. Hebreus 12:13. Não é demasiado tarde para endireitar os erros; mas não devem sentir sãos e não necessitar de médico, porquanto vocês precisam de auxílio. Quando forem ter com Cristo com o coração quebrantado, Ele os abençoará, e sairão para a obra do Mestre, com coragem e energia. O melhor testemunho de que estão em Cristo, é o fruto que produzem. Se não estiverem verdadeiramente unidos a Ele, a luz e os privilégios que têm os condenarão.T5 348.3

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents