Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

A Ciência do Bom Viver (condensado)

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 13 — O ministério em favor dos ricos

    Cornélio, o centurião romano, era homem de fortuna e de nobre nascimento. Ocupava uma posição de confiança e honra. Pagão pelo nascimento e pela educação, obtivera, mediante o contato com os judeus, certo conhecimento do verdadeiro Deus, e adorava-O, mostrando a sinceridade de sua fé pela compaixão para com os pobres. Ele dava “esmolas ao povo e, de contínuo, orava a Deus”. Atos dos Apóstolos 10:2.CBVc 79.1

    Cornélio não tinha conhecimento do evangelho segundo fora revelado na vida e morte de Cristo, e Deus enviou-lhe uma mensagem diretamente do Céu, e por meio de outra mensagem dirigiu o apóstolo Pedro para que o visitasse e instruísse. Cornélio não se achava ligado à igreja judaica, e teria sido considerado pelos rabis pagão e imundo; mas Deus lia a sinceridade de seu coração, e enviou mensageiros de Seu trono para que se unissem a Seu servo na Terra a fim de que ensinasse o evangelho a este oficial romano.CBVc 79.2

    Assim hoje em dia, Deus está buscando pessoas entre as de alta classe, da mesma maneira que entre as humildes. Muitos há, como Cornélio, homens a quem Ele deseja ligar a Sua igreja. As simpatias desses homens são para o povo do Senhor. Mas os laços que os ligam ao mundo os prendem firmemente. É preciso coragem moral para que esses homens se coloquem ao lado dos humildes. Esforços especiais se devem fazer por essas pessoas, que se acham em tão grande risco, devido às responsabilidades e à convivência que têm.CBVc 79.3

    Muito se diz quanto ao nosso dever para com os pobres negligenciados; não se deveria dar alguma atenção aos negligenciados ricos? Muitos consideram essa classe um caso perdido, e pouco fazem para abrir os olhos daqueles que, cegos e ofuscados pelo falso brilho da glória terrena, perderam o cálculo da eternidade. Milhares de ricos têm baixado ao túmulo inadvertidos. Mas, por mais indiferentes que pareçam, muitos entre eles são almas oprimidas. “O que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda”. Eclesiastes 5:10. Aquele que diz ao ouro fino: “Tu és a minha confiança; [...] assim negaria a Deus, que está em cima”. Jó 31:24, 28. “Nenhum deles, de modo algum, pode remir a seu irmão ou dar a Deus o resgate dele (pois a redenção da sua alma é caríssima, e seus recursos se esgotariam antes)”. Salmos 49:7, 8.CBVc 79.4

    As riquezas e as honras mundanas não podem satisfazer a alma. Muitos dentre os ricos anseiam por alguma divina certeza, alguma esperança espiritual. Muitos, anelam alguma coisa que lhes venha pôr termo à monotonia de uma vida sem objetivo. Muitos, em sua vida profissional, sentem a necessidade de alguma coisa que não possuem! Poucos entre eles vão à igreja; pois sentem que pouco benefício recebem. Os ensinos que recebem não lhes tocam o coração. Não lhes faremos, nós, nenhum apelo pessoal?CBVc 80.1

    Entre as vítimas da necessidade e do pecado encontram-se aqueles que já possuíram fortuna outrora. Homens de várias carreiras e posições diversas na vida foram vencidos pelas corrupções do mundo, pelo uso da bebida forte, por se entregarem às concupiscências, e caíram sob a tentação. Ao passo que esses caídos requerem piedade e auxílio, não se deveria atender aos que ainda não desceram a essas profundidades, mas que estão pondo os pés na mesma estrada?CBVc 80.2

    Milhares que ocupam posições de confiança e honra estão condescendendo com hábitos que significam ruína para o corpo e a alma. Ministros do evangelho, estadistas, escritores, homens de fortuna e de talento, homens de vasta capacidade comercial, de aptidões para ser úteis, encontram-se em perigo mortal, porque não reconhecem a necessidade do domínio de si mesmos em todas as coisas. É necessário que se lhes chame a atenção para os princípios de temperança, não por maneira estreita e arbitrária, mas à luz do grande desígnio de Deus para a humanidade. Pudessem os princípios da verdadeira temperança ser-lhes assim apresentados, e muitos dentre as classes mais elevadas haveriam de reconhecer seu valor e aceitá-los com sinceridade.CBVc 80.3

    Deveríamos mostrar a essas pessoas os resultados das nocivas complacências em diminuir as energias físicas, mentais e morais. Ajudai-os a compreender sua responsabilidade como mordomos dos dons de Deus. Mostrai-lhes o bem que poderiam fazer com o dinheiro que agora gastam com aquilo que só mal lhes faz. Apresentai-lhes o compromisso de abstinência total, pedindo que o dinheiro que, de outro modo, eles gastariam em bebidas, fumo ou prazeres semelhantes seja consagrado a aliviar os pobres, enfermos, ou à educação de crianças e jovens de modo a serem úteis no mundo. Não seriam muitos os que se negassem a ouvir apelos semelhantes.CBVc 80.4

    Há outro perigo a que os ricos se acham especialmente expostos, e aí está também um campo aberto ao médico-missionário. Multidões de pessoas prósperas no mundo que nunca desceram às formas comuns do vício, são ainda levadas à ruína mediante o amor das riquezas. O cálice mais difícil de conduzir não é o que se acha vazio, mas o que está cheio até às bordas. É este que de mais cuidadoso equilíbrio necessita. A aflição e adversidade trazem decepção e dor; mas é a prosperidade que mais perigo oferece à vida espiritual.CBVc 80.5

    Os que estão sofrendo reveses são representados pela sarça que Moisés viu no deserto que, embora ardendo, não se consumia. O anjo do Senhor estava no meio da sarça. Assim, na perda e na aflição, o brilho da presença do Invisível se encontra conosco para nos confortar e suster. Freqüentemente solicitam-se orações para os que estão padecendo por doença ou adversidade; nossas orações são, entretanto, mais necessitadas pelos homens a quem foram confiadas prosperidade e influência.CBVc 80.6

    No vale da humilhação, onde os homens sentem sua necessidade e confiam em que Deus lhes guiará os passos, há relativa segurança. Mas aqueles que se acham, por assim dizer, em elevados pináculos, e que, devido a sua posição, se julgam possuidores de grande sabedoria — estes se encontram no maior perigo. A menos que esses homens tornem Deus a sua confiança, hão de por certo cair.CBVc 81.1

    A Bíblia não condena ninguém por ser rico, uma vez que haja adquirido suas riquezas honestamente. Não o dinheiro, mas o amor do dinheiro é a raiz de todos os males. É Deus que dá aos homens poder para adquirir fortuna; e nas mãos daquele que agir como mordomo de Deus, empregando seus meios altruistamente, a fortuna é uma bênção — tanto para seu possuidor como para o mundo. Muitos, porém, absorvidos em seus interesses nos tesouros mundanos, tornam-se insensíveis aos reclamos de Deus e às necessidades de seus semelhantes. Consideram sua riqueza como um meio de glorificarem a si mesmos. Acrescentam casa a casa, e terra a terra: enchem sua casa de luxo, enquanto tudo ao seu redor são seres humanos em miséria e crime, em enfermidade e morte. Aqueles que assim consagram sua existência ao serviço do próprio eu estão desenvolvendo em si mesmos não os atributos de Deus, mas os do maligno.CBVc 81.2

    Esses homens estão necessitados do evangelho. Precisam desviar os olhos da vaidade das coisas materiais para a contemplação das preciosidades das imperecíveis riquezas. Necessitam aprender a alegria de dar, a bem-aventurança de ser colaborador de Deus.CBVc 81.3

    O Senhor nos ordena: “Manda aos ricos deste mundo” que não confiem na “incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente e sejam comunicáveis; que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna”. 1 Timóteo 6:17-19.CBVc 81.4

    Não é por nenhum toque casual, acidental, que almas ricas, amantes do mundo, podem ser atraídas a Cristo. Essas pessoas são muitas vezes as de mais difícil acesso. É preciso em seu favor um esforço pessoal da parte de homens e mulheres dotados de espírito missionário, que não fracassem nem desanimem.CBVc 81.5

    Alguns são especialmente habilitados a trabalhar nas classes mais elevadas. Estes devem buscar de Deus sabedoria para saber como alcançar essas pessoas, não somente para uma relação casual com elas, mas para, mediante esforço pessoal e fé viva, despertá-las para as necessidades da alma, levá-las ao conhecimento da verdade tal como é em Jesus.CBVc 81.6

    Muitos supõem que, para se aproximar das classes mais altas, é preciso adotar uma maneira de vida e um método de trabalho que se harmonizem com seus fastidiosos gostos. Uma aparência de riqueza, custosos edifícios, caros vestidos, equipamentos e ambiente, conformidade com os costumes do mundo, o artificial polimento da sociedade da moda, cultura clássica, as graças da oratória, são considerados essenciais. Isso é um erro. O caminho dos métodos do mundo não é o caminho de Deus para alcançar as classes mais elevadas. O que na verdade os tocará é uma apresentação do evangelho de Cristo feita de modo coerente e isento de egoísmo.CBVc 82.1

    A experiência do apóstolo Paulo ao defrontar-se com os filósofos de Atenas encerra uma lição para nós. Ao apresentar o evangelho no Areópago, Paulo enfrentou a lógica com a lógica, ciência com ciência, filosofia com filosofia. Os mais sábios de seus ouvintes ficaram atônitos e emudecidos. Suas palavras não podiam ser controvertidas. Pouco fruto, porém, produziu seu esforço. Poucos foram levados a aceitar o evangelho. Daí em diante Paulo adotou uma diversa maneira de trabalhar. Evitava os argumentos elaborados e as discussões de teorias e, em simplicidade, encaminhava homens e mulheres a Cristo como o Salvador dos pecadores.CBVc 82.2

    Escrevendo aos coríntios acerca de sua obra entre eles, disse: “Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e Este crucificado. A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus”. 1 Coríntios 2:1, 2, 4, 5.CBVc 82.3

    E ainda em sua epístola aos Romanos, ele diz: “Não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego”. Romanos 1:16.CBVc 82.4

    Portem-se os que trabalham com as classes mais altas com verdadeira dignidade, lembrando-se de que os anjos são seus companheiros. Conservem eles o tesouro do espírito e do coração cheio de “Está escrito”. Guardem na memória as preciosas palavras de Cristo. Elas devem ser apreciadas muito acima do ouro e da prata.CBVc 82.5

    Cristo disse que seria mais fácil a um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus. No trabalho a fazer por essa classe, apresentar-se-ão muitos desânimos, muitas revelações pungentes terão lugar. Mas todas as coisas são possíveis com Deus. Ele pode e há de operar mediante instrumentos humanos na mente dos homens cuja vida tem sido consagrada a ganhar dinheiro.CBVc 82.6

    Há milagres a se operarem na genuína conversão, milagres agora não discernidos. Os maiores homens da Terra não se encontram além do alcance de um Deus poderoso em maravilhas. Se aqueles que são Seus colaboradores cumprirem valorosa e fielmente o seu dever, Deus converterá homens que ocupam posições de responsabilidade, homens de intelecto e influência. Por meio do poder do Espírito Santo, muitos serão levados a aceitar os divinos princípios.CBVc 82.7

    Quando se tornar claro que o Senhor espera que eles, como Seus representantes, aliviem a sofredora humanidade, muitos a isso corresponderão, dando de seus meios juntamente com a sua simpatia para o benefício dos pobres. À medida que sua mente é assim afastada dos próprios interesses egoístas, muitos se entregarão a Cristo. Com seus talentos de influência e meios, unir-se-ão de boa vontade à obra de beneficência com o humilde missionário que foi o instrumento de Deus em sua conversão. Pelo devido emprego de seus tesouros terrenos, ajuntarão para si “um tesouro nos Céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão, e a traça não rói”. Lucas 12:33.CBVc 83.1

    Quando convertidos a Cristo, muitos se tornarão na mão de Deus instrumentos para trabalhar em favor de outros de sua classe. Sentirão ser-lhes confiada uma dispensação do evangelho para aqueles que fizeram deste mundo o seu tudo. O tempo e o dinheiro serão a Deus consagrados, devotados o talento e a influência à obra de ganhar almas para Cristo.CBVc 83.2

    Unicamente a eternidade revelará o que tem sido realizado por esta espécie de ministério — quantas almas, enfermas de dúvida e cansadas da mundanismo e do desassossego, têm sido levadas ao grande Restaurador, que anseia salvar perfeitamente a todos quantos a Eles se achegam. Cristo é um Salvador ressurgido e há salvação debaixo de Suas asas.CBVc 83.3

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents