Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Educação

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 5 — A educação de Israel

    “Trouxe-o ao redor, instruiu-o, guardou-o como a menina do Seu olho.”

    O método de educação estabelecido no Éden centralizava-se na família. Adão era o “filho de Deus”, e era de seu Pai que os filhos do Altíssimo recebiam instrução. Tinham, no mais estrito sentido, uma escola familiar.Ed 33.1

    No plano divino de educação, adaptado às condições do homem após a queda, Cristo ocupa o lugar de representante do Pai, como o elo conectivo entre Deus e o homem; Ele é o grande ensinador da humanidade. E Ele ordenou que os homens e mulheres fossem Seus representantes. A família era a escola, e os pais os professores.Ed 33.2

    A educação centralizada na família era a que prevalecia nos dias dos patriarcas. Deus provia às escolas assim estabelecidas as mais favoráveis condições para o desenvolvimento do caráter. O povo que estava sob Sua direção ainda prosseguia com o plano de vida que Ele havia designado no princípio. Os que se afastavam de Deus construíam para si mesmos cidades, e, congregando-se nelas, gloriavam-se no esplendor, no luxo e no vício, que fazem das cidades de hoje o orgulho e a maldição do mundo. Mas os homens que se ativeram aos divinos princípios de vida, moravam entre os campos e colinas. Eram cultivadores do solo e guardas de rebanhos; e nessa vida livre, independente, com suas oportunidades para o trabalho, estudo e meditação, aprendiam acerca de Deus e ensinavam os filhos a respeito de Suas obras e caminhos.Ed 33.3

    Tal foi o método de educação que Deus desejava estabelecer em Israel. Mas, quando os tirou do Egito, poucos havia entre os israelitas, preparados para serem coobreiros dEle, no ensino dos filhos. Os próprios pais necessitavam de instrução e disciplina. Vítimas de prolongada escravidão, eram ignorantes, indisciplinados e degradados. Pouco conhecimento tinham de Deus e pouca fé nEle. Estavam confundidos com falsos ensinos e corrompidos pelo seu demorado contato com o paganismo. Deus quis levantá-los a um nível moral superior; e para tal fim procurou dar-lhes o conhecimento de Si próprio.Ed 34.1

    No trato com os errantes no deserto, em suas marchas de um para outro lado, expostos à fome, à sede e ao cansaço, em perigos de adversários gentios, e na manifestação de Sua providência em seu socorro, Deus procurava fortalecer-lhes a fé, revelando-lhes o poder que continuamente operava para seu bem. E havendo-os ensinado a confiar em Seu amor e poder, era Seu intuito pôr diante deles, nos preceitos de Sua lei, a norma de caráter que, pela Sua graça, desejava alcançassem.Ed 34.2

    Preciosas foram as lições ensinadas a Israel durante sua permanência no Sinai. Foi este um período de preparo especial para a herança de Canaã. E o ambiente, ali, era favorável para o cumprimento do propósito de Deus. No cume do Sinai, sobranceiro à planície em que o povo espalhava suas tendas, repousava a coluna de nuvem que tinha sido o guia em sua jornada. Como coluna de fogo à noite, assegurava-lhes a proteção divina; e, enquanto se achavam entregues ao sono, o pão do Céu mansamente caía sobre o acampamento. Em todos os lados, elevações vastas, escabrosas, em sua grandeza solene, falavam de duração e majestade eternas. O homem era levado a reconhecer sua ignorância e fraqueza na presença dAquele que “pesou os montes e os outeiros em balanças”. Isaías 40:12. Ali, pela manifestação de Sua glória, Deus procurou impressionar Israel com a santidade de Seu caráter e mandamentos, e a extrema culpabilidade da transgressão.Ed 34.3

    O povo, porém, era tardio para compreender a lição. Acostumados como tinham estado no Egito com as representações materiais da Divindade, e estas da mais degradante natureza, era-lhes difícil conceber a existência ou o caráter do Ser invisível. Condoendo-Se de sua fraqueza, Deus lhes deu um símbolo de Sua presença. “E Me farão um santuário”, disse Ele, “e habitarei no meio deles.” Êxodo 25:8.Ed 35.1

    Na construção do santuário como a morada de Deus, Moisés foi instruído a fazer tudo segundo o modelo das coisas no Céu. Deus o chamou ao monte e revelou-lhe as coisas celestiais; e o tabernáculo foi, em todos os seus pertences, modelado à semelhança delas.Ed 35.2

    Assim também revelou Ele o Seu glorioso ideal de caráter a Israel, de que Ele desejava fazer Sua morada. A norma deste caráter foi-lhes mostrada no monte, ao ser do Sinai dada a lei, e quando passou Deus diante de Moisés e este proclamou: “Jeová, o Senhor, Deus misericordioso e piedoso, tardio em iras e grande em beneficência e verdade.” Êxodo 34:6.Ed 35.3

    Mas por si mesmos eram eles incapazes de atingir este ideal. Aquela revelação no Sinai apenas poderia impressioná-los com sua necessidade e incapacidade. O tabernáculo, com os seus serviços de sacrifícios, deveria ensinar outra lição — a lição do perdão do pecado e do poder de obediência para a vida, mediante o Salvador.Ed 36.1

    Por meio de Cristo deveria cumprir-se o propósito de que era um símbolo o tabernáculo — aquela construção gloriosa, com suas paredes de ouro luzente refletindo em matizes do arco-íris as cortinas bordadas de querubins; a fragrância do incenso, sempre a queimar, a invadir tudo; os sacerdotes vestidos de branco imaculado, e no profundo mistério do compartimento interior, acima do propiciatório, entre as figuras de anjos prostrados em adoração, a glória do Santíssimo. Em tudo Deus desejava que Seu povo lesse o Seu propósito para com a alma humana. Era o mesmo propósito muito mais tarde apresentado pelo apóstolo Paulo, falando pelo Espírito Santo:Ed 36.2

    “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” 1 Coríntios 3:16, 17.Ed 36.3

    Grande foi a honra e o privilégio concedidos a Israel na edificação do santuário; e grande também foi a responsabilidade. Uma estrutura de extraordinário esplendor, exigindo para a sua construção os mais custosos materiais e as maiores aptidões artísticas, devia ser erigida no deserto, por um povo apenas escapado da escravidão. Parecia uma tarefa estupenda. Mas Aquele que havia dado o plano da construção, empenhou-Se em cooperar com os construtores.Ed 36.4

    “Falou o Senhor a Moisés, dizendo: Eis que Eu tenho chamado por nome a Bezaleel, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de sabedoria e de entendimento, e de ciência, em todo o artifício. ... E eis que Eu tenho posto com ele a Aoliabe, o filho de Aisamaque, da tribo de Dã, e tenho dado sabedoria ao coração de todo aquele que é sábio de coração para que façam tudo o que te tenho ordenado.” Êxodo 31:1-6.Ed 36.5

    Que escola industrial era aquela no deserto, tendo como instrutores a Cristo e os Seus anjos!Ed 37.1

    No preparo do santuário e seus móveis todo o povo devia cooperar. Havia ocupação para o cérebro e para as mãos. Exigia-se uma grande variedade de material, e todos foram convidados a contribuir conforme a boa vontade de seu coração.Ed 37.2

    Desta maneira, pelo trabalho e ofertas eram ensinados a cooperar com Deus e uns com os outros. E também deviam cooperar na preparação do edifício espiritual — o templo de Deus na alma.Ed 37.3

    Desde o início da jornada ao sair do Egito, tinham-se-lhes dado lições para o seu preparo e disciplina. Mesmo antes de deixarem o Egito, tinha-se levado a efeito uma organização temporária, e o povo foi distribuído em grupos, sob chefes designados. No Sinai completaram-se os arranjos para a organização. A ordem tão saliente-mente ostentada em todas as obras de Deus, manifestava-se na economia hebréia. Deus era o centro da autoridade e do governo. Moisés, como Seu representante, devia em Seu nome administrar as leis. Então vinha o conselho dos setenta, os sacerdotes, e os príncipes, e sob estes “capitães de milhares, e capitães de cem, e capitães de cinqüenta, e capitães de dez” (Números 11:16, 17; Deuteronômio 1:15); e, finalmente, oficiais designados para fins especiais. O acampamento foi arranjado em perfeita ordem, ficando no centro o tabernáculo — a morada de Deus — e em redor dele as tendas dos sacerdotes e levitas. Além destas, cada tribo acampava ao lado de seu próprio estandarte.Ed 37.4

    Foi posto em vigor um regulamento sanitário completo. Este foi prescrito ao povo, não simplesmente como necessário à saúde, senão também como condição de conservar entre eles a presença dAquele que é santo. Pela autoridade divina Moisés lhes declarou: “O Senhor teu Deus anda no meio de teu arraial, para te livrar, ... pelo que o teu arraial será santo.” Deuteronômio 23:14.Ed 38.1

    A educação dos israelitas incluía todos os seus hábitos de vida. Tudo que dizia respeito a seu bem-estar foi objeto da solicitude divina, e constituiu assunto da divina legislação. Mesmo na provisão de seu alimento, Deus procurou o seu maior benefício. O maná com que Ele os alimentava no deserto, era de natureza a promover força física, mental e moral. Posto que muitos deles se rebelassem contra as restrições em seu regime, e desejassem voltar aos dias em que, diziam eles, “estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar” (Êxodo 16:3), a sabedoria da escolha de Deus foi-lhes mostrada de uma maneira que não poderiam contradizer. Apesar das agruras de sua vida no deserto, ninguém havia fraco em todas as suas tribos.Ed 38.2

    Em todas as suas jornadas, a arca que continha a lei de Deus devia ficar à frente do séquito. O lugar para se acamparem era indicado pela descida da coluna de nuvem. Enquanto a nuvem permanecia sobre o tabernáculo, ali se demoravam. Quando ela se levantava, prosseguiam viagem. Tanto a parada como a partida se assinalavam por uma chamada solene. “Era pois que, partindo a arca, Moisés dizia: Levanta-Te, Senhor, e dissipados sejam os Teus inimigos. ... E, pousando ela, dizia: Volta, ó Senhor, para os muitos milhares de Israel.” Números 10:35, 36.Ed 38.3

    Enquanto o povo viajava pelo deserto, muitas lições preciosas se lhes fixavam na mente por meio de cânticos. Na ocasião em que se livraram do exército de Faraó, toda a hoste de Israel participou do canto de triunfo. Ao longe, pelo deserto e pelo mar, ecoava o festivo estribilho, e as montanhas repercutiam as modulações de louvor: “Cantai ao Senhor, porque sumamente Se exaltou.” Êxodo 15:21. Muitas vezes na jornada se repetia este cântico, animando os corações e acendendo a fé nos viajantes peregrinos. Os mandamentos, conforme foram dados no Sinai, com promessas de favor de Deus e referências às Suas maravilhosas obras em seu livramento, foram por direção divina expressos em cântico, e cantados ao som de música instrumental, sendo devidamente acompanhados pelo povo.Ed 39.1

    Assim, elevavam-se seus pensamentos acima das provações e dificuldades do caminho; abrandava-se, acalmava-se aquele espírito inquieto e turbulento; implantavam-se os princípios da verdade na memória; e fortalecia-se a fé. A ação combinada ensinava ordem e unidade, e o povo era levado a um contato mais íntimo com Deus e uns com outros.Ed 39.2

    Relativamente ao trato de Deus para com o povo de Israel durante os quarenta anos da peregrinação no deserto, Moisés declarou: “Como um homem castiga a seu filho, assim te castiga o Senhor teu Deus” “para te humilhar, e te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os Seus mandamentos ou não.” Deuteronômio 8:5, 2.Ed 39.3

    “Achou-o na terra do deserto, e num ermo solitário cheio de uivos; trouxe-o ao redor, instruiu-o, guardou-o como a menina de Seu olho. Como a águia desperta o seu ninho, se move sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os e os leva sobre as suas asas, assim só o Senhor o guiou, e não havia com ele deus estranho.” Deuteronômio 32:10-12.Ed 39.4

    “Porque Se lembrou de Sua santa palavra, e de Abraão, Seu servo. E tirou dali o Seu povo com alegria, e os Seus escolhidos com regozijo. E deu-lhes as terras das nações, e herdaram o trabalho dos povos; para que guardassem os Seus preceitos, e observassem as Suas leis.” Salmos 105:42-45.Ed 40.1

    Deus cercou Israel com todas as facilidades, proporcionou-lhe todos os privilégios, para que eles se tornassem uma honra a Seu nome e uma bênção às nações circunvizinhas. Se seguissem o caminho da obediência, prometeu exaltá-los “sobre todas as nações que fez, para louvor, e para fama, e para glória”. “E todos os povos da terra”, disse Ele, “verão que és chamado pelo nome do Senhor, e terão temor de ti.” As nações que ouvirem todos estes estatutos dirão: “Este grande povo só é gente sábia e entendida.” Deuteronômio 26:19; 28:10; 4:6.Ed 40.2

    Nas leis confiadas a Israel, deu-se instrução explícita concernente à educação. A Moisés, no Sinai, Deus Se tinha revelado como “misericordioso e piedoso, tardio em iras e grande em beneficência e verdade”. Êxodo 34:6. Estes princípios, incorporados em Sua lei, deviam os pais e mães em Israel ensinar a seus filhos. Moisés, por direção divina, declarou-lhes: “E estas palavras que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.” Deuteronômio 6:6, 7.Ed 40.3

    Não como uma teoria árida deviam ser ensinadas estas coisas. Aqueles que desejam comunicar verdade, devem por sua vez praticar seus princípios. Apenas refletindo o caráter de Deus na retidão, nobreza e abnegação de sua vida, poderão eles impressionar os outros.Ed 41.1

    A verdadeira educação não consiste em forçar a instrução a um espírito não preparado e indócil. As faculdades mentais deverão ser despertadas, e o interesse suscitado. E isto o método divino de ensinar havia tomado em consideração. Aquele que criou a mente e estabeleceu suas leis, providenciou para o seu desenvolvimento de acordo com aquelas leis. No lar e no santuário, mediante as coisas da Natureza e da arte, no trabalho e nas festas, na construção sagrada e pedras comemorativas, por meio de métodos, ritos e símbolos inumeráveis, deu Deus a Israel lições que ilustravam Seus princípios e preservavam a memória de Suas maravilhosas obras. Então, quando surgiam perguntas, a instrução que era dada impressionava o espírito e o coração.Ed 41.2

    Nos arranjos para a educação do povo escolhido manifesta-se o fato de que a vida centralizada em Deus é uma vida de perfeição. Cada necessidade que Ele implantou, providencia para que seja satisfeita; cada faculdade comunicada, procura Ele desenvolver.Ed 41.3

    Como o Autor de toda a beleza, sendo Ele próprio amante do belo, Deus proveu o necessário para satisfazer em Seus filhos o amor do belo. Também providenciou para as suas necessidades sociais, para a associação amável e edificante, que tanto faz para que se cultive a simpatia e se ilumine e dulcifique a vida.Ed 41.4

    Como meio de educação desempenhavam lugar importante as festas de Israel. Na vida usual, a família era tanto a escola como a igreja, sendo os pais os instrutores nos assuntos seculares e religiosos. Mas três vezes no ano designavam-se ocasiões para reunião social e culto. Primeiramente em Silo, e depois em Jerusalém, tinham lugar estas reuniões. Apenas dos pais e dos filhos exigia-se que estivessem presentes; mas ninguém desejava perder a oportunidade das festas, e, tanto quanto possível, a casa toda assistia a elas; e com eles, como participantes de sua hospitalidade, achavam-se os estrangeiros, os levitas e os pobres.Ed 41.5

    A viagem a Jerusalém, daquela maneira simples, patriarcal, por entre as belezas da primavera, as opulências do verão, ou a glória de um outono amadurecido, era um deleite. Com ofertas de gratidão vinham eles, desde o varão de cabelos brancos até a criancinha, a fim de se encontrarem com Deus em Sua santa habitação. Enquanto viajavam, as experiências do passado, as histórias que tanto velhos como jovens ainda amam tanto, eram de novo contadas às crianças hebréias. Eram cantados os cânticos que os haviam encorajado na peregrinação no deserto. Os mandamentos de Deus eram entoados em cantochão e, em combinação com as abençoadas influências da Natureza e da amável associação humana, fixavam-se para sempre na memória de muita criança e jovem.Ed 42.1

    As cerimônias testemunhadas em Jerusalém em conexão com o culto pascoal — a assembléia noturna, os homens com seus lombos cingidos, pés calçados e bordão nas mãos; a refeição apressada, o cordeiro, os pães asmos, as ervas amargosas, a repetição da história do sangue aspergido, em solene silêncio; o anjo da morte, e a grande marcha para a saída da terra do cativeiro — tudo era de molde a estimular a imaginação e impressionar o espírito.Ed 42.2

    A Festa dos Tabernáculos, ou da colheita, com suas ofertas dos pomares e campos, seus acampamentos durante uma semana em cabanas de ramos, suas reuniões sociais, seu sagrado culto comemorativo, e com a generosa hospitalidade aos obreiros de Deus, ou seja aos levitas do santuário, e a Seus filhos, os estrangeiros e os pobres, reerguia todos os espíritos em gratidão para com Aquele que tinha coroado o ano da Sua beneficência e cujas veredas distilam gordura.Ed 42.3

    Em cada ano era totalmente ocupado um mês desta maneira, pelo israelita devoto. Era um período isento de cuidados e trabalho e quase inteiramente dedicado, no mais estrito sentido, aos fins da educação.Ed 43.1

    Distribuindo a herança a Seu povo, era o intento de Deus ensinar-lhes, e por meio deles ao povo das gerações vindouras, princípios corretos a respeito da posse da terra. A terra de Canaã foi dividida entre o povo todo, excetuando-se apenas os levitas, como ministros do santuário. Conquanto qualquer um pudesse por algum tempo dispor de suas posses, não poderia transferir a herança de seus filhos. Ficava na liberdade de redimi-la em qualquer tempo que o pudesse fazer. Perdoavam-se as dívidas em cada sétimo ano, e no qüinquagésimo, ou o ano do jubileu, toda propriedade territorial voltava ao seu dono original. Assim toda família estava garantida em suas posses, e havia uma salvaguarda contra os extremos ou da riqueza ou da pobreza.Ed 43.2

    Pela distribuição da terra entre o povo, Deus lhes proveu, como fizera aos moradores do Éden, a ocupação mais favorável ao desenvolvimento — o cuidado das plantas e animais. Uma providência mais vasta em prol da educação era a interrupção do trabalho agrícola cada sétimo ano, ficando as terras abandonadas, sendo deixados aos pobres os seus produtos espontâneos. Destarte se oferecia oportunidade para mais dilatado estudo, comunhão social e culto, bem como para o exercício da beneficência, tantas vezes excluída pelos cuidados e trabalhos da vida.Ed 43.3

    Fossem observados no mundo hoje os princípios das leis de Deus relativas à distribuição da propriedade, e quão diferente não seria a condição do povo! A observância de tais princípios evitaria os terríveis males que em todos os tempos têm resultado da opressão dos pobres pelos ricos e do ódio aos ricos pelos pobres. Ao mesmo tempo que poderia impedir a acumulação de grandes riquezas, tenderia a evitar a ignorância e degradação de dezenas de milhares, cuja servidão mal paga, é exigida para a formação daquelas fortunas colossais. Auxiliaria a solução pacífica dos problemas que ora ameaçam encher o mundo com anarquia e mortandade.Ed 44.1

    A consagração a Deus de um décimo de toda a renda, quer fosse dos pomares quer dos campos, dos rebanhos ou do trabalho mental e manual; a dedicação de um segundo dízimo para o auxílio dos pobres e outros fins de benevolência, tendia a conservar vívida diante do povo a verdade de que Deus é o possuidor de todas as coisas, e a oportunidade deles para serem portadores de Suas bênçãos. Era um ensino adaptado a extirpar toda a estreiteza egoísta, e cultivar largueza e nobreza de caráter.Ed 44.2

    O conhecimento de Deus, a companhia dEle no estudo e no trabalho, a Sua semelhança no caráter, deviam ser a fonte, os meios e objetivo da educação de Israel — educação comunicada por Deus aos pais, e por estes dada aos filhos.Ed 44.3

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents