Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Educação

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 34 — Disciplina

    Ensinar, repreender, animar, ser longânimo.

    Uma das primeiras lições que a criança precisa aprender é a lição da obediência. Antes que fique bastante idosa para raciocinar pode ser ensinada a obedecer. Deve estabelecer-se o hábito por meio de um esforço brando e persistente. Destarte se podem evitar em grande parte aqueles conflitos posteriores entre a vontade e a autoridade, os quais tanto concorrem para criar hostilidade e amargura para com os pais e professores, e muito freqüentemente, resistência a toda autoridade, humana ou divina.Ed 287.1

    O objetivo da disciplina é ensinar à criança o governo de si mesma. Devem ensinar-se-lhe a confiança e direção próprias. Portanto, logo que ela seja capaz de entendimento, deve alistar-se a sua razão ao lado da obediência. Que todo o trato com ela seja de tal maneira que mostre ser justa e razoável a obediência. Ajude-a a ver que todas as coisas se acham subordinadas a leis, e que a desobediência conduz finalmente a desastres e sofrimentos. Quando Deus diz: “Não farás”, amorosamente Ele nos avisa das conseqüências da desobediência, a fim de nos livrar de desgraças e perdas.Ed 287.2

    Auxilie as crianças a verem que pais e professores são os representantes de Deus, e que, agindo aqueles em harmonia com Ele, suas leis no lar e na escola são também dEle. Assim como a criança deve prestar obediência aos pais e professores, devem estes por seu turno prestá-la a Deus.Ed 287.3

    Dirigir o desenvolvimento da criança, sem estorvá-lo por meio de um governo indevido, deve ser objeto de estudo tanto por parte do pai como do professor. As regras demasiadas são coisa tão ruim como a deficiência delas. O esforço para se “quebrar a vontade” de uma criança é um erro terrível. Os espíritos são constituídos diferentemente; conquanto a força possa conseguir uma submissão aparente, com muitas crianças o resultado é uma mais decidida rebelião do coração. Mesmo que o pai ou professor consiga impor a sujeição que deseja, o desfecho poderá ser não menos desastroso para a criança. A disciplina de um ser humano que haja atingido os anos da inteligência, deve diferir do ensino de um animal irracional. A este apenas se ensina a submissão a seu dono. Para o irracional, o dono serve de mente, juízo e vontade. Este método, algumas vezes empregado no ensino das crianças, faz delas pouco mais que autômatos. O espírito, a vontade, a consciência, acham-se sob o governo de outro. Não é propósito de Deus que espírito algum seja dessa maneira dominado. Os que enfraquecem ou destroem a individualidade, assumem uma responsabilidade de que apenas podem resultar males. Enquanto sob a autoridade, as crianças podem assemelhar-se a soldados bem disciplinados; faltando, porém, esse governo, notar-se-á a falta de força e firmeza no caráter. Não tendo nunca aprendido a governar-se, os jovens não admitem restrições a não ser as exigências dos pais ou professor. Removidas estas, não sabem como fazer uso de sua liberdade, e com frequência se entregam a condescendências que vêm a ser sua ruína.Ed 288.1

    Desde que a renúncia da vontade é muito mais difícil a alguns alunos do que a outros, o professor deve fazer com que a obediência às suas exigências seja tão fácil quanto possível. A vontade deve ser dirigida e modelada, mas não ignorada ou esmagada. Poupe a força de vontade, pois na batalha da vida ela será necessária.Ed 288.2

    Toda criança deve compreender a verdadeira força de vontade. Cumpre que seja levada a ver quão grande é a responsabilidade envolvida neste dom. A vontade é a força dirigente na natureza do homem, a força para a decisão, ou escolha. Todo ser humano dotado de razão tem o poder de escolher o que é reto. Em cada incidente da vida, a palavra de Deus para nós é: “Escolhei hoje a quem sirvais.” Josué 24:15. Cada qual pode pôr a sua vontade ao lado da vontade de Deus, pode optar pela obediência a Ele e, ligando-se assim com as forças divinas, colocar-se onde nada o poderá forçar a praticar o mal. Em cada jovem e criança há o poder de, mediante o auxílio de Deus, formar um caráter íntegro e viver uma vida de utilidade.Ed 289.1

    O pai ou professor que com tais instruções ensine à criança o governo de si mesma, será da maior utilidade e terá um êxito permanente. Para o observador superficial o seu trabalho pode não mostrar verdadeiro valor; poderá deixar de ser estimado em tão grande conta como o daquele que retém o espírito e a vontade da criança sob uma autoridade absoluta; entretanto, os anos vindouros demonstrarão o resultado do melhor método de ensino.Ed 289.2

    O educador prudente, ao tratar com seus discípulos, procurará promover a confiança e fortalecer o sentimento de honra. As crianças e jovens são beneficiados se se deposita neles confiança. Muitos, mesmo dentre os pequeninos, têm um elevado senso de honra; todos desejam ser tratados com confiança e respeito, e eles têm direito a isto. Deve-se ter cuidado de que eles não pressintam não poderem sair ou entrar sem ser vigiados. A suspeita desmoraliza, produzindo os mesmos males que procura evitar. Ao invés de vigiar continuamente, como se estivessem a suspeitar mal, os professores que se acham em contato com seus discípulos discernirão a operação da mente irrequieta, e porão em atividade influências que contrabalançarão o mal. Leve os jovens a sentir que eles merecem confiança, e poucos haverá que não procurarão mostrar-se dignos dessa confiança.Ed 289.3

    Sob o mesmo princípio é melhor pedir do que ordenar; aquele a quem assim nos dirigimos tem oportunidade de se mostrar leal aos princípios retos. Sua obediência é o resultado da escolha em vez de o ser da coação.Ed 290.1

    As regras que governam a sala de aulas devem quanto possível representar a voz da escola. Todo princípio nelas envolvido deve ser posto diante do estudante de tal maneira que ele possa convencer-se de sua justiça. Assim ele sentirá a responsabilidade de fazer com que as regras que ele próprio ajudou a formular, sejam obedecidas.Ed 290.2

    As regras devem ser poucas e bem consideradas; e uma vez feitas, cumpre que sejam executadas. O que quer que se verifique impossível de se mudar, a mente aprende a reconhecer e a isso adaptar-se; mas a possibilidade de condescendência suscita o desejo, esperança e incerteza, e os resultados são a inquietação, irritabilidade, insubordinação.Ed 290.3

    Deve-se deixar esclarecido que o governo de Deus desconhece qualquer transigência com o mal. Não deve a desobediência ser tolerada nem no lar nem na escola. Nenhum pai ou professor que leve a sério o bem-estar dos que se acham sob os seus cuidados, transigirá com a vontade obstinada que desafia a autoridade ou recorre a subterfúgios ou a evasivas a fim de escapar à obediência. Não é o amor mas o sentimentalismo o que usa de rodeios com as más ações, procura pela lisonja ou suborno conseguir a submissão e finalmente aceita algum substituto da coisa exigida.Ed 290.4

    “Os loucos zombam do pecado.” Provérbios 14:9. Devemos precaver-nos de tratar o pecado como uma coisa frívola. Terrível é o seu poder sobre o malfeitor. “As suas iniqüidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido.” Provérbios 5:22. O maior mal que se possa fazer a uma criança ou jovem é consentir que se fixe na escravidão dos maus hábitos.Ed 291.1

    Os jovens têm um inato amor à liberdade; desejam a independência; precisam compreender que estas inestimáveis bênçãos devem ser gozadas unicamente na obediência à lei de Deus. Esta lei é a preservadora da verdadeira independência e liberdade. Ela nos aponta e proíbe as coisas que degradam e escravizam, e desta maneira proporciona ao que lhe obedece proteção contra o poder do mal.Ed 291.2

    Diz o salmista: “Andarei em liberdade, pois busquei os Teus preceitos.” “Teus testemunhos são o meu prazer e os meus conselheiros.” Salmos 119:45, 24.Ed 291.3

    Em nossos esforços de corrigir o mal, devemos precaver-nos contra a tendência de descobrir as faltas de outrem e censurá-las. A contínua censura confunde mas não reforma. Para muitos espíritos e freqüentemente os mais delicados, uma atmosfera de crítica destituída de simpatia é fatal aos seus esforços. As flores não desabrocham ao sopro de um vento crestante.Ed 291.4

    Uma criança freqüentemente censurada por alguma falta especial vem a considerar aquela falta como uma peculiaridade sua, ou alguma coisa contra que seria vão esforçar-se. Assim se cria o desânimo e a falta de esperança, muitas vezes ocultos sob a aparência de indiferença ou bravata.Ed 291.5

    Alcança-se o verdadeiro objetivo da reprovação apenas quando o próprio malfeitor é levado a ver a sua falta, e consegue sua vontade no empenho de corrigir-se. Quando isto se cumpre, aponte-lhe a fonte de perdão e poder. Procure preservar o seu respeito próprio, e inspirar-lhe ânimo e esperança.Ed 291.6

    Esta é a obra mais delicada e mais difícil que se tem confiado a seres humanos. Exige o mais delicado tato, a maior susceptibilidade, conhecimento da natureza humana e uma fé e paciência oriundas do Céu, dispostas a trabalhar, vigiar e esperar. É uma obra que nada sobrelevará em importância.Ed 292.1

    Os que desejam governar a outrem devem primeiramente governar-se a si mesmos. O tratar apaixonadamente com uma criança ou jovem, somente despertará o seu ressentimento. Quando um pai ou professor se torna impaciente e está em perigo de falar imprudentemente, fique em silêncio. Há um maravilhoso poder no silêncio.Ed 292.2

    O professor deve esperar encontrar disposições perversas e corações rebeldes. Mas ao tratar com eles nunca deve esquecer-se de que ele mesmo foi criança, necessitando de disciplina. Mesmo agora com todas as vantagens de idade, educação e experiência, muitas vezes erra, e necessita de misericórdia e perdão. Tratando com os jovens, deve ter em vista que está a tratar com os que têm inclinações para o mal, idênticas às suas próprias. Eles têm quase tudo a aprender, e para alguns isso é muito mais difícil do que para outros. Com o aluno vagaroso deve conduzir-se pacientemente, não censurando sua ignorância, mas aproveitando toda oportunidade de o animar. Com alunos sensíveis e nervosos, deve tratar muito brandamente. O senso de suas próprias imperfeições deve levá-lo constantemente a manifestar simpatia e clemência para com os que também estão lutando com dificuldades.Ed 292.3

    A regra do Salvador — “como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós também” (Lucas 6:31) — deve ser a regra de todos os que empreendem a educação das crianças e jovens. Estes são os membros mais novos da família do Senhor; herdeiros conosco da graça da vida. A regra de Cristo deve ser religiosamente observada em relação aos menos inteligentes, aos de menor idade, aos mais desatinados, e mesmo aos transviados e rebeldes.Ed 292.4

    Esta regra induzirá o professor a evitar quanto possível tornar públicas as faltas ou erros de um discípulo. Procurará evitar reprovar ou punir na presença de outros. Não expulsará um estudante antes que hajam sido feitos todos os esforços para que o mesmo se emende. Quando, porém, se torna evidente que o estudante não está recebendo benefício, ao mesmo tempo em que seu desafio ou desrespeito à autoridade tende a subverter o governo da escola, e sua influência está contaminando a outros, torna-se uma necessidade a sua expulsão. No entanto, para com muitos, o opróbrio da expulsão pública determinaria completo desleixo e ruína. Na maioria dos casos em que uma exclusão destas é inevitável, não se necessitaria tornar pública semelhante coisa. Mediante consulta e cooperação com os pais, providencie o professor em particular a retirada do estudante.Ed 293.1

    Nesta época de perigos especiais para a juventude, cercam-na tentações de todos os lados; ao passo que é fácil deixar-se levar por essa onda, exigem-se os maiores esforços a fim de lutar contra a corrente. Cada escola deve ser uma “cidade de refúgio” para os jovens tentados, e um lugar em que as suas fraquezas sejam tratadas paciente e sabiamente. Os professores que compreendem suas responsabilidades afastarão de seu coração e vida tudo que os possa impedir de tratar com êxito com os voluntariosos e desobedientes. Amor e ternura, paciência e governo próprio, serão em todo o tempo a lei de sua linguagem. A misericórdia e a compaixão estarão misturadas com a justiça. Quando necessário reprovar, sua linguagem não será exagerada, mas sim humilde. Com afabilidade apresentarão ao malfeitor os seus erros, e o auxiliarão a emendar-se. Todo verdadeiro professor entenderá que, no caso de haver erro em sua maneira de agir, é melhor que este seja por ter ele agido do lado da misericórdia do que do da severidade.Ed 293.2

    Muitos jovens que são considerados incorrigíveis não são em seu coração tão ruins como parecem. Muitos que se julgam como não oferecendo esperança, podem-se readquirir por uma disciplina prudente. Tais são muitas vezes os que mais facilmente se abrandam com a bondade. Obtenha o professor a confiança daquele que é tentado e, reconhecendo e desenvolvendo o bem em seu caráter, poderá em muitos casos corrigir o mal sem chamar a atenção para ele.Ed 294.1

    O divino Mestre suporta os que erram, em toda a perversidade deles. Seu amor não arrefece; não cessam Seus esforços para ganhá-los. Com os braços estendidos Ele espera para, repetidas vezes, dar as boas-vindas aos errantes, rebeldes, e mesmo aos apóstatas. Seu coração se sensibiliza com o desamparo da criancinha sujeita a um tratamento severo. O clamor do sofrimento humano jamais atinge Seu ouvido em vão. Se bem que todos sejam preciosos a Sua vista, as disposições incultas, intratáveis, obstinadas, atraem mais intensamente Sua simpatia e amor; pois Ele avalia os efeitos pelas causas. Aquele que mais facilmente é tentado e mais propenso é a errar, constitui o objeto especial de Sua solicitude.Ed 294.2

    Todo pai e professor deve acariciar os atributos dAquele que faz da causa dos aflitos, sofredores e tentados, a Sua própria causa. Deve ser pessoa que possa “compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados; pois também ele mesmo está rodeado de fraqueza”. Hebreus 5:2. Jesus nos trata muito melhor do que merecemos; e assim como nos tem tratado devemos tratar aos outros. Não se justifica o procedimento de nenhum pai ou professor, que seja diverso daquele que o Salvador seguiria, sob idênticas circunstâncias.Ed 294.3

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents