Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Conselhos sobre Saúde

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Não para os que buscam prazeres

    Por que fundamos sanatórios? Para que os doentes que a eles acorrem em busca de tratamento possam receber o lenitivo para seus sofrimentos físicos e possam também receber auxílio espiritual. Em virtude de seu estado de saúde, acham-se eles suscetíveis à influência santificadora dos missionários médicos que trabalham em favor de sua restauração. Trabalhemos sabiamente, para seu melhor interesse.CSa 271.1

    Não construímos sanatórios para serem hotéis. Recebei em nossos sanatórios apenas aqueles que desejarem conformar-se com os retos princípios, aqueles que aceitarem os alimentos que conscienciosamente podemos colocar diante deles. Se permitíssemos que os pacientes tivessem bebidas intoxicantes em seus quartos, ou servíssemos-lhes alimento cárneo, não lhes daríamos o auxílio que deviam receber ao virem aos nossos sanatórios. Devemos tornar claro que por princípio excluímos tais artigos dos nossos sanatórios e de nossos restaurantes. Não desejamos nós ver os nossos semelhantes livres de doenças e enfermidades, e no gozo da saúde e do vigor? Então sejamos tão fiéis aos princípios como a bússola o é ao pólo.CSa 271.2

    Aqueles cuja obra visa a salvação das almas devem manter-se salvo dos métodos mundanos. Não devem eles, no interes-se de obter a influência de alguma pessoa rica, emaranhar-se em planos desonrosos para sua profissão de fé. Não devem vender a sua alma por vantagens financeiras. Não devem fazer coisa alguma que retarde a obra de Deus e rebaixe o padrão de justiça. Somos servos de Deus, e devemos ser obreiros juntamente com Ele, fazendo Sua obra à Sua maneira, a fim de que todos para os quais trabalhamos possam ver que o nosso*Testimonies for the Church 7:95-97 (1902). intuito é atingir um elevado padrão de santidade. Aqueles com os quais entramos em contato devem ver que não apenas falamos de abnegação e sacrifício, mas que os revelamos em nossa vida. Nosso exemplo deve inspirar aqueles com quem entramos em contato em nosso trabalho, a se tornarem mais bem relacionados com as coisas de Deus.CSa 271.3

    Se devemos efetuar gastos com a construção de sanatórios, a fim de que possamos trabalhar pela salvação dos enfermos e aflitos, importa que planejemos nosso trabalho de tal maneira que os que desejam ajuda recebam o auxílio de que necessitam. Devemos fazer tudo o que está ao nosso alcance pela cura do corpo; devemos, porém, tornar a cura da alma de muito maior importância. Aos que acodem aos nossos sanatórios como pacientes deve-se mostrar o caminho da salvação, a fim de que eles possam arrepender-se e ouvir as palavras: Os teus pecados te são perdoados; vai em paz, e não peques mais. ...CSa 272.1

    Não devemos absorver o tempo e os esforços dos homens capazes de levar avante a obra de Deus da maneira em que Ele delineou, em um empreendimento para a acomodação e entretenimento de procuradores de prazeres, cujo maior desejo é agradar o eu. Associar obreiros com tal empreendimento seria perigoso para sua segurança. Guardemos nossos moços e moças de todas essas influências perigosas. E se nossos irmãos se envolverem com tal empreendimento, não poderão eles fazer avançar a obra da salvação de almas como pretendem.CSa 272.2

    Nossos sanatórios devem ser estabelecidos com uma finalidade — o avanço da verdade presente. E eles devem ser tão bem dirigidos que se produza uma positiva impressão em favor da verdade na mente daqueles que a eles vêm em busca de tratamento. A conduta dos obreiros, e do administrador-chefe para com o obreiro que ocupa a posição mais humilde, deve pesar em favor da verdade. A instituição deve ser permeada por uma atmosfera espiritual. Temos uma mensagem de advertência para apresentar ao mundo, e nosso zelo e devotamento ao serviço de Deus, deve impressionar os que vêm aos nossos sanatórios. ...CSa 272.3

    Estamos vivendo justamente no final da história da Terra, e devemos mover-nos cautelosamente, compreendendo o que é a vontade do Senhor, e, imbuídos de Seu espírito, fazer a obra que muito significará para Sua causa, obra que proclamará a mensagem de advertência a um mundo obcecado, enganado e a perecer no pecado.CSa 273.1

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents