Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Conselhos sobre Saúde

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Compensação

    Deus não deseja que Sua obra esteja constantemente envolvida em dívida. Quando parecer conveniente aumentar os nossos edifícios ou outras dependências de uma instituição, evitai ir além dos vossos meios. Preferi adiar o melhoramento até que a Providência abra o caminho para que ele seja realizado sem contrairdes pesadas dívidas e terdes que pagar juros.CSa 304.1

    As casas publicadoras tornaram-se lugares de depósito pelo nosso povo, e dessa maneira se tornaram capazes de fornecer meios para manter setores da obra nos diferentes campos, e têm auxiliado na condução de outros empreendimentos. Isto está certo. Não tem sido feito muita coisa neste sentido. O Senhor vê tudo isto. De acordo, porém, com a luz que Ele me deu, devem-se envidar todos os esforços para estarem livres de dívidas.CSa 304.2

    A obra de publicações foi iniciada com sacrifício e deve ser administrada de acordo com princípios econômicos estritos. A questão das finanças pode ser enfrentada se, ao surgir uma carência de meios, os obreiros concordarem em uma redução nos salários. Este foi o princípio que o Senhor me revelou para ser levado às nossas instituições. Quando o dinheiro for escasso, devemos estar dispostos a restringir as nossas necessidades.CSa 304.3

    Que se faça o cálculo exato das publicações, e depois estudem todos os que se acham em nossas casas publicadoras todas as maneiras possíveis de economizar, embora se traga assim considerável inconveniência. Tende cuidado com as pequenas despesas. Estancai todo vazamento. São as pequeninas perdas que falam alto no fim. Ajuntai os pedaços; coisa alguma deve perder-se. Não gasteis os minutos conversando; os*Testimonies for the Church 7:206-209 (1902).
    Este artigo, dirigido aos administradores e obreiros de nossas casas publicadoras, está incluído aqui porque os princípios se aplicam aos obreiros do sanatório.
    minutos gastos arruínam as horas. A persistente diligência, que opera com fé, será sempre coroada de êxito. Alguns pensam que rebaixa a sua dignidade o cuidar de coisas pequenas. Pensam eles ser isto a evidência de uma mente estreita e de um espírito mesquinho. Mas as pequenas infiltrações têm posto a pique muito navio. Não se deve permitir que coisa alguma que se destine ao propósito de todos seja desperdiçada. A falta de economia acarretará certamente dívida às nossas instituições. Embora se possa receber muito dinheiro, este se perderá nos pequenos gastos de cada ramo da obra. Economia não é mesquinhez.
    CSa 304.4

    Todo homem ou mulher empregado na casa publicadora deve ser uma fiel sentinela, que vigie para que nada seja desperdiçado. Todos devem acautelar-se contra supostas necessidades que exijam o emprego de meios. Alguns homens vivem melhor com quatrocentos dólares por ano do que outros com oitocentos. A mesma coisa se dá com nossas instituições; algumas pessoas podem dirigi-las com muito menos capital do que outras. Deus deseja que todos os obreiros exerçam economia, e especialmente que sejam fiéis em calcular as despesas.CSa 305.1

    Todo obreiro de nossas instituições deve receber justa remuneração. Se os obreiros receberem salários adequados, eles terão a satisfação de fazer doações à causa. Não é justo que alguns recebam grande somas, e outros, que estão realizando trabalho necessário e fiel, muito pouco.CSa 305.2

    Não obstante, há casos em que se deve estabelecer uma diferença. Há homens ligados com as casas publicadoras que desempenham pesadas responsabilidades, e cujo trabalho é de grande valor para a instituição. Em muitas outras posições eles poderiam ter muito menos cuidado e, financeiramente, obterem muito maior remuneração. Todos podem ver a injustiça de não se pagar a esses homens nenhum salário a mais do que se paga a simples operários de mecânica.CSa 305.3

    Se uma mulher for apontada por Deus para fazer certo trabalho, seu trabalho deve ser calculado de acordo com o seu valor. Alguns podem pensar que seja correto permitir que as pessoas devotem seu tempo e trabalho à obra sem remuneração. Deus, porém, não sanciona tais arranjos. Ao se exigir sacrifício por causa de falta de recursos, não se deve fazer recair o fardo exclusivamente sobre umas poucas pessoas. Todos devem unir-se nesse sacrifício.CSa 305.4

    O Senhor deseja que os que têm o encargo de Seus bens revelem bondade e liberdade, não mesquinhez. Não devem eles, em seu trato, procurar exigir cada centavo possível. Deus olha com desprezo para tais métodos. ...CSa 306.1

    O Senhor necessita de homens que vejam a obra em sua magnitude, e que compreendam os princípios que com ela têm estado entrelaçados desde o seu surgimento. Ele não deseja que um sistema mundano de coisas venha amoldar a obra em rumos inteiramente diferentes dos que destinou ao Seu povo. A obra deve levar o caráter de seu Originador.CSa 306.2

    No sacrifício de Cristo pelos homens caídos, a misericórdia e a verdade se encontraram, a justiça e a paz se beijaram. Quando esses atributos estão separados da mais maravilhosa e visivelmente bem-sucedida obra, esta é de nenhum valor.CSa 306.3

    Deus não escolheu uns poucos homens para Sua estima, e deixou outros abandonados. Ele não exalta um, e abate e oprime outro. Todos os que são verdadeiramente convertidos manifestarão o mesmo espírito. Eles tratarão os seus semelhantes como tratariam a Cristo. Um não ignorará os direitos do outro.CSa 306.4

    Os servos de Deus devem ter tão grande respeito pela sagrada obra que estão manejando que não tragam para ela nenhum vestígio de egoísmo.CSa 306.5

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents