Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Testemunhos para a Igreja 2

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 63 — Censura ao egoísmo

    Prezado irmão A:

    Desde a campal de Illinois, seu caso exerceu forte impressão sobre minha mente. Quando me recordo de algumas coisas que me foram mostradas com respeito aos pastores, especialmente você, fico extremamente angustiada. Nesse encontro falei especificamente sobre as qualificações do ministro do evangelho. Quando apresentei perante o povo as qualidades de um pastor que proclama a solene mensagem para estes últimos dias, muito do que eu disse se aplicava a você. Esperei ouvir algum reconhecimento de sua parte. Antes de minha palestra, sua esposa falou com a irmã Hall com respeito ao desânimo do irmão. Ela disse que você não sabia que era seu dever pregar. O irmão estava inseguro com respeito a seu dever e ficou desanimado, por isso não fez o trabalho que deveria fazer caso se sentisse seguro. A irmã Hall sugeriu que, se eu tivesse uma palavra de encorajamento para você, sua esposa ficaria muito feliz. Eu disse à irmã Hall que nada tinha a falar, e que se você se sentia inseguro, seria melhor esperar até descobrir o dever por si mesmo. Falei então das qualificações de um ministro de Cristo; e, se eu tivesse cumprido integralmente meu dever, deveria ter-lhe falado do púlpito especificamente a você. A presença de descrentes foi a única razão que me impediu de fazê-lo.T2 539.1

    Em Minnesota, novamente fiquei preocupada com a conduta de nossos pastores, ao ver o irmão B e conversar com ele a respeito dos defeitos que interferiam em seu trabalho pela salvação de almas. Sua conduta no cuidado pelas coisas desta vida pôs novamente seu caso tão distintamente perante mim que, se eu estivesse tão bem quanto normalmente estou, teria escrito a você antes de deixar a campal. Não tivemos um período de descanso, mas fomos diretamente a Wisconsin. Eu estava doente, mas Deus fortaleceu-me para cumprir meu dever perante o povo. Ao me levantar diante do público, vi rostos dos quais não me lembrava ter visto antes. De novo seu caso, relacionado com outros, me foi apresentado distintamente. Aquele era o lugar onde sua influência havia sido uma maldição destruidora em vez de bênção. Era também o lugar onde grande bem poderia ter sido realizado, mesmo por você. Houvesse se consagrado a Deus e trabalhado ousadamente pela salvação daqueles por quem Cristo morreu, seus trabalhos teriam sido um completo sucesso. Você compreendia os argumentos de nossa posição. As razões de nossa fé apresentadas perante aqueles que não foram iluminados a esse respeito, causam decidida impressão quando as mentes não são preconceituosas de modo a recusar as evidências expostas. Vi o melhor material humano para ser transformado em excelentes cristãos guardadores do sábado nos arredores de _____ e _____; mas, enquanto alguns estavam encantados com a beleza do conjunto de verdades e prestes a decidir por elas, você abandonou o campo sem terminar o trabalho do qual se havia incumbido. Isso foi pior do que se nunca o houvesse iniciado. Aquele interesse jamais poderá ser despertado novamente.T2 539.2

    Por anos tem sido comunicada luz sobre esse ponto, mostrando a necessidade de atender ao interesse despertado, sem deixar absolutamente o mesmo até que todos os que se inclinam para a verdade tenham tomado sua decisão, experimentado a conversão necessária para o batismo, e se unido a alguma congregação, ou iniciado uma. Nenhuma circunstância é tão importante para chamar-se um pastor que esteja atendendo a um interesse suscitado pela apresentação da verdade. Mesmo doença e morte são de menor importância do que a salvação de almas por quem Cristo fez tão imenso sacrifício. Os que sentem a importância da verdade, e o valor de almas por quem Cristo morreu, não abandonarão por motivo algum um interesse despertado entre o povo. Dirão: Deixem “aos mortos sepultar os seus mortos”. Mateus 8:22. Interesses domésticos, terras, casas, não devem ter o mínimo poder de desviar do campo de trabalho. Caso os pastores permitam que essas coisas temporais os distraiam da obra, a única conduta a seguir é deixar tudo, não possuir terras ou interesses temporais que exerçam influência em atraí-los da obra solene destes últimos dias. Uma alma é de mais valor do que o mundo inteiro. Como podem homens que professam haver-se consagrado à santa obra de salvar almas, deixar que suas pequenas posses temporais lhes absorvam a mente e o coração, e os impeçam de atender à elevada vocação que professam haver recebido de Deus?T2 540.1

    Vi, irmão A, que sua influência nos arredores de _____ e _____ causou grande dano à causa de Deus. Eu sabia o que essa influência significava desde que você esteve em Battle Creek pela última vez. Enquanto escrevia assuntos importantes para os pastores, seu caso me foi apresentado, e eu pretendia ter-lhe escrito antes, mas foi impossível. Por três noites eu dormi bem pouco. Sua situação vinha-me quase que de contínuo à mente. Eu lhe escrevia mentalmente durante o sono e também quando acordada. Quando reconheci na congregação as mesmas pessoas que haviam sido prejudicadas por sua influência, eu teria trazido o assunto à luz se você estivesse presente. Nenhuma palavra de qualquer mortal me foi confidenciada com respeito à sua conduta. Senti-me compelida a falar a um ou dois sobre o assunto, declarando que eu havia reconhecido a fisionomia deles, em conexão com algumas coisas mostradas com referência a você. Então, muito relutantemente, os fatos me foram relatados confirmando tudo o que eu lhes havia falado. Eu havia dito apenas aquilo que acreditava dever dizer no temor de Deus, para cumprir meu dever como serva Sua.T2 541.1

    Dois anos atrás, vi que você e sua esposa eram muito egoístas, pessoas ambiciosas. Seus próprios interesses egoístas era-lhes mais valiosos do que aqueles por quem Cristo morreu. Foi-me mostrado que você não estava sendo bem-sucedido em seus trabalhos. Tinha habilidade para apresentar a verdade; possuía mente inquiridora, e se não fosse por suas deficiências de caráter, poderia ter feito grande bem. Mas, por várias razões, não conseguiu alcançar êxito na pregação da verdade. Uma das maiores desgraças em sua vida, irmão A, tem sido seu extremo egoísmo. Tem pensado em interesses próprios. Você e sua esposa têm feito de si mesmos o centro de compaixão e cuidado. Quando vão a algum lugar para visitar uma família, tornam-se-lhes um peso, deixando que cozinhem para vocês e os sirvam; e nenhum de vocês procura fazer o que pode. A família pode estar trabalhando arduamente, levando os próprios fardos e os seus, mas vocês são tão egoístas que não vêem que eles estão cansados e que os irmãos estão melhor capacitados fisicamente para fazer o trabalho que estão fazendo por vocês. Irmão A, você é preguiçoso demais para agradar a Deus. Quando se necessita lenha ou água, você ignora, e consente que sejam carregadas por aqueles que já estão muito atarefados, freqüentemente mulheres, quando tais pequenas incumbências, essas cortesias da vida, são o que você precisa executar para benefício de sua saúde. Você é um homem corpulento e pesado, e não se exercita nem a metade do que devia para seu próprio bem. A indolência que manifesta e a disposição de obter vantagem em tudo quanto possa, têm sido uma vergonha à verdade e uma pedra de tropeço aos descrentes.T2 542.1

    Sua esposa, bem como você, ama o comodismo. Vocês passam seu tempo deitados, quando tinham condições de estar de pé, mostrando ativamente especial interesse na família que estão sobrecarregando. Você pensa que por ser um pastor, eles devem considerar sua presença como um favor, e devem servi-lo e obsequiá-lo, enquanto você nada faz senão cuidar de seus interesses egoístas. As impressões que tem deixado são muito más. Você e sua esposa são considerados como representantes dos pastores e suas esposas, que estão empenhados em apresentar ao mundo o sábado e a breve volta de nosso Senhor.T2 542.2

    Aqueles que estão familiarizados com seu procedimento dirão que sua religião, ensinos e vida não se harmonizam. Eles vêem que seus frutos não são bons e concluem que você não crê nas coisas que ensina aos outros. Concluem que todos os pastores são como você e que as verdades eternas e sagradas são afinal um engano. Quem será responsável por tais impressões e seus deploráveis resultados? Que possam ver o opressivo peso que repousa sobre vocês como conseqüência do egoísmo, que tem sido uma maldição a vocês mesmos e a todos que estão a seu redor.T2 543.1

    Novamente, irmão A, você está perturbado por sentimentos e impressões que são o fruto natural do egoísmo. Imagina que os outros não apreciam seus esforços. Julga-se competente para fazer uma grande obra, mas desculpa suas falhas em realizá-la porque os outros não lhe dão oportunidades e crédito à altura de suas habilidades. É ciumento e tem impedido o progresso da causa em Illinois e Wisconsin, realizando pouco e atrapalhando aqueles que o fariam se você não estivesse em seu caminho. Sua sensibilidade e ciúmes têm enfraquecido as mãos daqueles que poriam as coisas em ordem e fariam progredir as conferências. Se algum melhoramento pode ser visto nesses Estados, você é inclinado a pensar que isso lhe é atribuível em grande medida, quando o fato é que se as coisas fossem deixadas a seu cargo, tudo ruiria rapidamente. Em suas pregações você geralmente é frio e formal demais. Você não harmoniza a prática com a doutrina. Fala muito e cansa as pessoas. Em vez de demorar-se apenas naquela parte do assunto que você pode deixar completamente clara à compreensão de todos, usa de rodeios e apresenta minúcias que não esclarecem o tema e bem poderiam ser passadas por alto. Quando tanta matéria não necessária é exposta, o ouvinte perde a seqüência do argumento e não pode reter na mente o assunto. Quando um pastor obtém a atenção das pessoas, deve avançar de um ponto a outro, deixando tanto quanto possível esses tópicos livres de palavreado e detalhes insignificantes. Ao expor suas idéias perante o público, deve torná-las tão distintas como marcos quilométricos de uma estrada. Encobrir os pontos importantes e vitais, multiplicando palavras e introduzindo tudo que tenha um distante relacionamento com o assunto, destrói a força do mesmo, e obscurece a belo e harmonioso conjunto de verdades. Você é lento e enfadonho em sua pregação, bem como em tudo o mais que empreende. Necessita, se é que alguém já necessitou, ser revigorado pelo Espírito da verdade. Precisa de Cristo em você, “esperança da glória”. Colossences 1:27. Precisa de religião, o artigo genuíno.T2 543.2

    Foram-me referidas as seguintes palavras inspiradas: “Quem dentre vós é sábio e inteligente? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria.” “Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.” Tiago 3:13, 17, 18. Homens a quem Deus chamou para a obra de salvar pecadores sentirão responsabilidade pelo povo. Interesses egoístas serão absorvidos pela profunda preocupação com a salvação de almas por quem Cristo morreu. Entenderão a força da exortação de Pedro: “Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória.” 1 Pedro 5:1-4.T2 544.1

    Você é obstinado por natureza. Inveja e obstinação são frutos naturais do egoísmo. Conseguiu alguma melhora, mas vi muito ainda por ser feito. Vi tão claramente a influência miserável de sua vida egocêntrica e não consagrada, e temo que jamais perceba quão odiosos diante de Deus são esses traços de caráter. Receio ainda que não compreenda isso suficientemente, para abandoná-los e tornar-se como seu abnegado Redentor, puro e altruísta, com a vida caracterizada por desinteressada benevolência. Sua influência e exemplo são tais que alguns que amam a verdade e a obra de Deus, e valorizam nossa fé, estão perdendo seu espírito de abnegação e interesse na causa da verdade presente. Seu comportamento egoísta e cobiçoso produz neles o mesmo espírito; sua disposição de extrair vantagens para si mesmo, enquanto professa ser um ministro de justiça, tem fechado muitos corações à liberação de recursos para o progresso da verdade. Se os pastores dão ao povo um exemplo de egoísmo, esse repercutirá sobre a causa de Deus com poder dez vezes maior do que sua pregação.T2 545.1

    Deus tem sido desonrado por sua mesquinhez. Seu procedimento transpira desonestidade. Você não deixou atrás de si um rastro limpo, e até que haja uma total transformação em sua vida, será uma maldição viva a qualquer igreja onde freqüente. Trabalha pelo salário, e não acenderia fogo no altar de Deus nem fecharia as portas sem receber nada. Quando der ao povo um exemplo de abnegação e dedicação à causa de Deus, dando prioridade à salvação da alma e à verdade, então sua influência levará outros a fazerem o mesmo e dar ao reino de Deus e sua justiça o primeiro lugar. Sente-se autorizado a tirar proveito da causa. Seus irmãos, pela liberalidade de seu coração, favorecem-no e o ajudam de vários modos, e você recebe suas contribuições como se lhe fossem devidas. E se alguém não está perfeitamente à vontade com você, e não o beneficia, o irmão fica enciumado e não hesita em fazê-lo compreender que você não foi apreciado, e que ele é egoísta. Freqüentemente se refere a outros que o ajudam como exemplos a serem imitados. Esses que o favoreceram especialmente foram além de seu dever. Você não merecia sua confiança e liberalidade. Não assumiu pesadas responsabilidades na causa e lançou sobre outros muitos fardos, mais do que você mesmo tem assumido. Entretanto, está adquirindo propriedades e obtendo as boas coisas desta vida, e acha que tudo lhe é de pleno direito. Embora recebendo seu salário semanal, nem sempre fica satisfeito. Apesar do pagamento recebido, você continuamente age em proveito próprio. A obra de Deus o tem assalariado, quer mostre pouco ou muito em seu trabalho. Você não mereceu os recursos que recebeu.T2 545.2

    Sua esposa tem sido tão mimada pelos pais e por você, até tornar-se de bem pouca utilidade. Ambos têm visto os semelhantes sobrecarregados de cuidados e não os ajudam a levarem suas cargas. Sua esposa tem sido um peso morto para as famílias, para dano próprio e dos outros, quando, em se tratando de saúde, era mais capaz do que alguns que estavam assumindo as responsabilidades dela e suas. Mas ela nem se preocupou com isso. Nenhum de vocês percebeu os fatos nem se compadeceu dos outros. Alguns de quem vocês receberam ajuda no cuidado de vocês mesmos e de seus filhos, não tinham possibilidades financeiras para fazer o que fizeram, mas pensavam estar ministrando a abnegados servos de Cristo; portanto, negaram a si mesmos e suportaram inconveniências e dificuldades para assumirem responsabilidades que vocês tinham mais condições de assumir do que eles.T2 546.1

    Sua esposa tem relutado em encarar os encargos da vida. Ela deseja mais elevado chamado e negligencia os deveres atuais. Nenhum de vocês obedece ao mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Mateus 22:39. O eu e o egoísmo cerraram-lhes o coração às necessidades do próximo. Seu espírito mercenário e estreito é contagioso. Seu exemplo tem feito mais para estimular o amor ao mundo e a um espírito mesquinho, do que qualquer outra coisa que tem acontecido em Wisconsin e Illinois. Houvessem os irmãos apenas se dedicado somente a seus interesses pessoais, a causa de Deus nesses dois Estados estaria em muito melhores condições do que hoje. O sucesso que obtiveram não compensa o prejuízo causado. A causa de Deus ficou arruinada. Sua sensibilidade e inveja têm sido um exemplo para os outros. Encontramos esse espírito em Illinois e Wisconsin. O estado das igrejas em _____ e arredores tem sido deplorável. A falta de amor e união, a suspeita, a inveja e a obstinação vistos nessas igrejas foram moldados em grande proporção por seus traços de caráter. A posição que você assumiu após a manifestação do fanatismo em _____, fugindo à sua dignidade, discutindo minúcias e partilhando o assunto com os fanáticos e com aqueles a quem Deus tinha enviado com uma mensagem especial, interferiu diretamente na maneira como os outros deviam perceber e corrigir seus erros. Sua conduta, nessa ocasião, ao falhar em escolher o lado certo e trabalhar para corrigir o devastador fanatismo, deu origem ao desanimador estado de coisas resultante do escuro poder do fanatismo. Os irmãos C e D, toda a igreja de _____ e o povo de _____ não adotaram as posições corretas que teriam adotado, caso você fosse humilde e suscetível ao ensino, trabalhando em união com os servos de Deus.T2 546.2

    Quando um homem que professa ser mestre e líder, e se aventura na direção que você seguiu por causa da obstinação, terá pesadas responsabilidades a levar pelas pessoas que por sua causa tropeçaram para a perdição. Um pastor precisa ser muito cuidadoso quanto à sua influência. Teimosia, desconfiança e egoísmo não devem fazer parte de seu caráter, pois se for condescendente arruinará mais pessoas do que pode salvar. Se ele não conseguir vencer esses perniciosos traços de caráter, seria melhor não ter nada a ver com a causa de Deus. A condescendência com essas características, que podem não parecer tão más a seus olhos, porá as pessoas além de seu alcance e além do alcance de outros. Se tais pastores deixassem as coisas como estão, as pessoas suscetíveis à influência do Espírito de Deus poderiam ser alcançadas por aqueles que dão um exemplo digno de imitação, de acordo com a verdade que ensinam. Por uma vida coerente, o pastor conquistará a confiança dos que buscam a verdade, até que possa ajudá-los a se apegarem firmemente à Rocha dos Séculos. E depois, quando eles forem tentados, aquela influência o capacitará a advertir, exortar, reprovar e aconselhá-los com sucesso.T2 547.1

    Acima de todos os outros homens, os ministros de Cristo, que possuem a solene verdade para estes últimos dias, devem estar isentos de egoísmo e ser benevolentes por natureza. Devem ter vergonha de praticar atos caracterizados pelo egoísmo para com seus irmãos. Precisam ser padrão de piedade, carta viva, “conhecida e lida por todos os homens”. 2 Coríntios 3:2. Devem produzir frutos de santidade. O espírito que precisam possuir deve ser o oposto daquele manifestado pelos mundanos. Ao aceitarem a verdade divina, tornam-se servos de Deus e não são mais filhos das trevas e servos do mundo. Cristo os escolheu do mundo. O mundano não entende o mistério da piedade, portanto, não está familiarizado com os motivos que atuam em seu interior. Porém, o espírito e vida que neles está, que é manifestado em sua santa conversação, sua abnegação, altruísmo e conduta irrepreensível, tem um convincente poder que conduzirá os descrentes à verdade e à obediência a Cristo. São exemplos vivos porque se assemelham a Cristo. São luzes do mundo, sal da terra, e sua influência sobre outros é salvífica. São representantes de Cristo na Terra. Seus objetivos e desejos não são motivados pelas coisas terrenas; não trabalham pelo lucro nem o amam. A consideração das coisas eternas são suficientes para contrabalançar toda atração terrena. Um cristão genuíno trabalhará apenas para agradar a Deus, visando unicamente Sua glória e desfrutando a recompensa de fazer Sua vontade.T2 548.1

    Os pastores especialmente devem conhecer o caráter e as obras de Cristo para que possam imitá-Lo, pois o caráter e as obras do verdadeiro cristão são semelhantes às Suas. Ele pôs de lado Sua glória, domínio, riquezas e foi em busca daqueles que estavam perecendo no pecado. Humilhou a Si mesmo para prover às nossas necessidades, para que pudesse exaltar-nos até o Céu. Sua vida foi caracterizada pelo sacrifício, abnegação e desinteressada benevolência. Ele é nosso modelo. Tem você, irmão A, imitado o Modelo? Eu respondo: Não! Ele é um perfeito e santo Exemplo, dado a nós para imitação. Não podemos nos igualar ao Modelo; mas não seremos aprovados por Deus se não O imitarmos e nos assemelharmos a Ele, de acordo com a capacidade que o Senhor nos dá. O amor pelas almas por quem Cristo morreu, conduzirá à negação do eu e à disposição de fazer qualquer sacrifício para sermos coobreiros do Mestre na salvação de almas.T2 549.1

    A obra dos escolhidos servos de Deus será frutífera se feita nEle. Suas palavras e obras são condutos mediante os quais os puros princípios da verdade e santidade são comunicados ao mundo. Sua vida exemplar torna-os a luz do mundo e o sal da terra. Os servos de Deus devem, pela mão da fé, apoderar-se do braço onipotente, e reunir os divinos raios de luz do alto, enquanto, com a mão do amor, alcançam as almas que perecem. É necessária diligência nessa obra. A indolência fará com que as pessoas que poderiam ser salvas sejam levadas além do alcance. Deus deseja em Seu serviço pastores que estejam despertos, que sejam ativos e perseverantes, fiéis vigilantes sobre os muros de Sião, atentos às palavras do Divino Mestre e prontos a proclamá-la fielmente ao povo.T2 549.2

    Você é muito semelhante a Meroz. É muito diligente quando o que faz resulta em vantagens pessoais, mas não há motivo para especial diligência a menos que obtenha benefícios. Definitivamente, você é um homem preguiçoso. Pode tomar suas refeições regularmente, mas não tem nenhuma predileção pelo trabalho físico. Nenhum homem pode ocupar sua posição como pastor, se não for esforçado, diligente na ocupação e fiel no desempenho dos deveres públicos e sociais. Deus nos escolheu, como Seus servos, para Seu trabalho, que requer perseverante esforço. Não devemos tornar-nos mimados e evitarmos a labuta, as dureza e os conflitos.T2 550.1

    Minha atenção foi chamada para as seguintes palavras da Inspiração: “Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos, por amor de Jesus. Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; trazendo sempre por toda parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossos corpos.” 2 Coríntios 4:5-10. A capacidade do apóstolo não estava em si mesmo, mas na presença e poder do Espírito Santo, cuja graciosa influência enchia sua mente, levando cada pensamento em sujeição e obediência a Cristo. Seu ministério foi frutífero.T2 550.2

    O primeiro grande mandamento é: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração.” “E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Mateus 22:37, 39. Nesses dois mandamentos estão apoiados todos os interesses e deveres dos seres morais. Aqueles que cumprem seu dever para com os outros, como desejariam que os outros lhes fizessem, são conduzidos a uma posição em que Deus pode revelar-Se a eles e aprová-los. São aperfeiçoados em amor, e seu trabalho e orações não serão vãos. São continuamente providos de graça e verdade do Manancial, e transmitem livremente a outros a divina luz e a salvação que recebem. Neles se cumpre o que dizem as Escrituras: “Tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” Romanos 6:22.T2 550.3

    Egoísmo é abominação à vista de Deus e dos santos anjos. Por causa desse pecado, muitos não usufruem o bem que poderiam. Egoistamente olham para suas próprias coisas; não amam nem buscam os interesses de outros como buscam os seus. Eles invertem a ordem de Deus. Em vez de fazer pelos semelhantes o que desejariam que esses lhes fizessem, fazem para si mesmos o que desejam que outros lhes façam, e fazem a outros o que estão muito indispostos a receber da parte deles. Aí está o que você precisa aprender. O amor é de Deus. Você não possui o amor que habita no coração de Cristo. O coração não santificado não pode produzir essa planta de origem divina que, para florescer, precisa ser regada constantemente com o orvalho celestial. Ela pode florescer apenas no coração onde Cristo reina. Esse amor não pode viver e florescer sem ação; não pode agir sem crescer em fervor, expandindo-se e difundindo sua natureza a outros. Você tem grande falta desse princípio, e assim tudo tem sido escuridão onde sua presença teria iluminado.T2 551.1

    Meu irmão, você necessita de completa conversão, uma total transformação. Sem isso, é apenas um condutor cego. Sua influência não aumenta o amor e união daqueles com quem convive. Em vez de ajuntar, sua influência espalha. Com suas deficiências, você tem amaldiçoado o Oeste. Enquanto for tão deficiente na graça de Cristo e egoísta, não poderá levar a igreja à posição que Deus requer que ela ocupe. “Da qual eu estou feito ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco, para cumprir a palavra de Deus: o mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações e que, agora, foi manifesto aos Seus santos; aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória; a quem anunciamos, admoestando a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria; para que apresentemos todo homem perfeito em Jesus Cristo; e para isto também trabalho, combatendo segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.” Colossences 1:25-29.T2 551.2

    Os ministros de Deus precisam ter a verdade em seu coração, para apresentá-la com sucesso a outros. Precisam ser santificados pela verdade que pregam, ou serão apenas pedras de tropeço aos pecadores. Os que são chamados por Deus para ministrar as coisas sagradas, são convocados para serem puros de coração e santos na vida. “Purificai-vos, vós que levais os utensílios do Senhor.” Isaías 52:11. Se Deus pronuncia um ai sobre aqueles que são chamados a pregar e se recusam a obedecer, um mais pesado ai repousa sobre os que assumem a sagrada obra sem mãos limpas e coração puro. Como há ais sobre aqueles que pregam a verdade enquanto não são santificados no coração e na vida, há também ais para os que recebem e mantêm os não santificados na posição em que não podem ocupar. Se o Espírito de Deus não santificar e tornar puros e limpos o coração e as mãos dos que ministram as coisas sagradas, eles falarão de acordo com sua imperfeita e deficiente experiência, e seus conselhos desviarão de Deus os que os consideram e confiam em seu discernimento e experiência. Que Deus ajude os pastores a atenderem à exortação de Paulo aos coríntios: “Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis, quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.” 2 Coríntios 13:5. Há uma obra que você precisa empreender, meu irmão, se quiser ganhar a vida eterna. Possa Deus ajudá-lo a fazer cabalmente essa obra, para que possa ser perfeito e íntegro, de nada tendo falta.T2 552.1

    Chicago, Illinois, Massasoit House

    6 de Julho de 1870

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents