Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Testemunhos para a Igreja 5

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 24 — Um apelo*Este apelo foi escrito em Healdsburg, Califórnia, no dia 30 de Maio de 1882, para ser lido nas reuniões campais. Ele apresenta advertências e instrução que o autor, apesar de estar ausente em pessoa, sentia urgência em passar para a igreja. O texto foi inserido aqui para o benefício daqueles que não estiveram presentes àquelas reuniões e também de todos os que possam desejar preservá-lo de forma permanente.

    Encho-me de tristeza quando penso em nossa condição como um povo. O Senhor não nos cerrou o Céu, mas nosso próprio procedimento de constante apostasia nos separou de Deus. O orgulho, a cobiça e o amor do mundo têm habitado no coração, sem temor de ser banidos ou condenados. Pecados graves e presunçosos têm habitado entre nós. E no entanto, a opinião geral é que a igreja está florescendo, e que paz e prosperidade espiritual se encontram em todas as suas fronteiras. A igreja deixou de seguir a Cristo, seu Guia, e está constantemente retrocedendo rumo do Egito. Todavia, poucos ficam alarmados ou atônitos com sua falta de poder espiritual. Dúvidas e mesmo descrença dos testemunhos do Espírito de Deus estão levedando nossas igrejas por toda parte. Satanás assim o deseja. Pastores que pregam o eu em lugar de Cristo, desejam que seja assim. Os testemunhos não são lidos e apreciados. Deus tem falado a vocês. Luz tem sido derramada de sua Palavra e dos testemunhos, e ambos têm sido desprezados e desobedecidos. O resultado aparece na falta de pureza, consagração e fervente fé entre nós.T5 217.1

    Que cada um proponha estas questões em seu coração: “Como pude cair neste estado de fraqueza espiritual e dissensão? Tenho atraído sobre mim o desagrado divino por causa de minhas ações que não correspondem à fé que professo? Não estarei, porventura, buscando amizade e aplausos do mundo, antes que a presença de Cristo e um profundo conhecimento de Sua vontade?” Examine seu próprio coração, avalie sua conduta. Considere com quem se está associando. Está você buscando a companhia dos sábios ou desejando escolher companheiros mundanos que não temem a Deus nem obedecem ao evangelho?T5 217.2

    São suas recreações de tal índole que promovam vigor espiritual e moral? Conduzem elas à pureza de pensamento e ação? A impureza acha-se hoje amplamente disseminada, mesmo entre os professos seguidores de Cristo. As paixões correm soltas; as propensões sensuais ganham força pela condescendência, enquanto as faculdades morais se tornam cada vez mais fracas. Muitos estão avidamente participando de prazeres mundanos, desmoralizantes, os quais a Palavra de Deus proíbe. Cortam assim sua ligação com Deus e se enfileiram entre os amantes dos prazeres do mundo. Os pecados que destruíram os antediluvianos e as cidades da planície prevalecem hoje — não meramente em terras pagãs, não apenas entre os populares professos do cristianismo, mas mesmo entre os que afirmam estar aguardando a vinda do Filho do homem. Se Deus lhe apresentasse esses pecados como aparecem a Sua vista, você se encheria de vergonha e terror.T5 218.1

    O que produziu essa alarmante condição? Muitos têm aceito a teoria da verdade mas não provaram real conversão. Sei do que estou falando. Há poucos que sentem verdadeira tristeza por seus pecados e que têm profundas e pungentes convicções sobre a depravação da natureza não regenerada do homem. O coração de pedra não foi trocado por um coração de carne. Poucos estão dispostos a cair sobre a Rocha e ser despedaçados.T5 218.2

    Não importa quem são ou qual tem sido a sua vida, você só pode ser salvo da maneira designada por Deus. Deve arrepender-se; deve cair desvalido sobre a Rocha, Cristo Jesus. Deve sentir necessidade de um médico e do único remédio para o pecado, o sangue de Cristo. Esse remédio só pode ser obtido através de arrependimento para com Deus e fé para com o nosso Senhor Jesus Cristo. Essa é uma obra que ainda deve ser iniciada em relação a muitos que professam ser cristãos e mesmo ministros de Cristo. Como os fariseus de antigamente, muitos não sentem necessidade de um Salvador. São auto-suficientes e presunçosos. Disse Jesus: “Eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores, ao arrependimento.” Lucas 5:32. O sangue de Cristo só será de proveito para os que sentem necessidade de seu poder purificador.T5 218.3

    Que sublime amor e condescendência, que quando não tínhamos direito à misericórdia divina, Cristo esteve disposto a assegurar a nossa redenção! Mas nosso grande Médico requer submissão incondicional. Jamais devemos prescrever o remédio para nosso próprio caso. Cristo deve ter completo domínio sobre a vontade e as ações.T5 219.1

    Muitos não são sensíveis à própria condição e perigo, e há muito na natureza e procedimento da obra de Cristo que é avesso a cada princípio mundano, e oposto ao orgulho do coração humano. Jesus requer de nós que nos entreguemos inteiramente em Suas mãos e confiemos em Seu amor e sabedoria.T5 219.2

    Poderemos lisonjear-nos, assim como fez Nicodemos, de que nosso caráter moral tem sido correto e de que não precisamos humilhar-nos diante de Deus como o pecador comum. Temos, porém, de estar dispostos a entrar na vida do mesmo modo que o principal dos pecadores. Devemos renunciar a nossa própria justiça e suplicar que nos seja imputada a justiça de Cristo. Precisamos confiar inteiramente em Cristo no que diz respeito a nossa força. O próprio eu tem de morrer. Precisamos reconhecer que tudo o que temos provém das insuperáveis riquezas da graça divina. Seja esta a linguagem de nosso coração: “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Teu nome dá glória, por amor da Tua benignidade e da Tua verdade.” Salmos 115:1.T5 219.3

    A fé genuína é seguida pelo amor, e o amor pela obediência. Todas as energias e paixões da pessoa convertida são postas sob o controle de Cristo. Seu Espírito é um poder renovador, transformando à imagem divina todos os que O receberem. Isso me leva a dizer que essa experiência é conhecida por poucos que professam a verdade. Muitos perseveram em seus próprios caminhos e condescendem com seus desejos pecaminosos, e ainda professam ser discípulos de Cristo. Esses não entregaram seu coração a Deus. Como as virgens néscias, negligenciaram ter o óleo da graça extra para usá-lo nas lâmpadas. Eu lhes digo, meus irmãos, que um grande número dos que professam crer e mesmo ensinar a verdade, estão sob a escravidão do pecado. Baixas paixões contaminam a mente e corrompem o coração. Alguns que vivem na mais vil iniqüidade tomaram emprestada a veste celestial, para poderem servir a Satanás mais efetivamente.T5 219.4

    “Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado.” 1 João 3:9. Ele sente que é a aquisição do sangue de Cristo e que está comprometido pelos mais solenes votos a glorificar a Deus em seu corpo e em seu espírito, os quais pertencem a Deus. O amor ao pecado e ao eu estão nele subjugados. Ele diariamente pergunta: “Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito?” Salmos 116:12. “Senhor, que queres que faça?” Atos dos Apóstolos 9:6. O verdadeiro cristão jamais se queixará de que o jugo de Cristo é torturante. Ele considera o serviço de Cristo como a mais autêntica liberdade. A lei de Deus é todo o seu prazer. Em vez de procurar rebaixar as ordens divinas, para estarem de acordo com as suas deficiências, ele se esforça constantemente por elevar-se ao nível de sua perfeição.T5 220.1

    Tal deve ser a nossa experiência se queremos estar preparados para subsistir no dia de Deus. Agora, enquanto se prolonga o tempo da graça, enquanto ainda se ouve a voz da misericórdia, é o tempo de afastarmos os nossos pecados. Enquanto a escuridão moral cobre a Terra como um manto negro, a luz dos refletores de Deus deve brilhar com a maior intensidade, marcando o contraste entre a luz celestial e a as trevas de Satanás.T5 220.2

    Deus tomou amplas providências para que possamos ser considerados perfeitos em Sua graça, não sendo faltosos em coisa alguma, aguardando o aparecimento de nosso Senhor. Está você pronto? Usando a veste nupcial? Essa vestimenta jamais cobrirá o engano, a impureza, a corrupção ou a hipocrisia. O olhar de Deus está sobre você, discernindo os pensamentos e propósitos do coração. Podemos encobrir nossos pecados aos olhos humanos, mas nada podemos ocultar de nosso Criador.T5 220.3

    Deus não poupou a Seu próprio Filho, mas entregou-O à morte por nossas ofensas e ressuscitou-O para nossa justificação. Por meio de Cristo podemos apresentar nossas petições ao trono da graça. Por Seu intermédio, indignos como somos, podemos obter todas as bênçãos espirituais. Iremos a Ele para conseguir a vida?T5 221.1

    Como conheceremos por nós mesmos a bondade de Deus e Seu amor? O salmista não nos diz: Ouvi, e conhecei, lede e sabei, ou crede e sabei. O que ele nos diz é: “Provai e vede que o Senhor é bom.” Salmos 34:8. Em vez de confiar na palavra dos outros, prove-O por você mesmo.T5 221.2

    Experiência é conhecimento derivado de experimentação. Experimentar a religião é o que é necessário agora. “Provai e vede que o Senhor é bom.” Salmos 34:8. Alguns — sim, grande número — têm conhecimento teórico da verdade religiosa, mas jamais sentiram o poder renovador da graça divina no próprio coração. Essas pessoas são sempre tardias para ouvir os testemunhos de advertência, reprovação e instruções dadas pelo Espírito Santo. Crêem na ira de Deus, mas não fazem sérios esforços para evitá-la. Crêem no Céu, mas não fazem sacrifício para alcançá-lo. Crêem eles no valor da salvação, e que dentro em breve a redenção cessará para sempre. Todavia, negligenciam as mais preciosas oportunidades de fazer a paz com Deus.T5 221.3

    Podem ler a Bíblia, mas suas ameaças não os alarmam, nem suas promessas os cativam. Aprovam as coisas excelentes, entretanto, seguem o caminho que Deus proibiu. Conhecem o refúgio, mas dele não fazem uso. Conhecem um remédio para o pecado, mas não o usam. Sabem o que é justo, mas não o apreciam. Todo o seu conhecimento só servirá para aumentar sua condenação. Jamais provaram e aprenderam por experiência própria que o Senhor é bom.T5 221.4

    Tornar-se discípulo de Cristo é negar o próprio eu e seguir a Jesus tanto nas más como nas boas circunstâncias. Poucos estão fazendo isso no momento. Muitos profetizam falsidades e o povo gosta disso, mas, o que ocorrerá no final disso? Qual será o veredicto quando sua obra, com todos os resultados, for passada em revista diante de Deus?T5 222.1

    A vida cristã é uma guerra. O apóstolo Paulo fala de uma luta contra os principados e potestades enquanto porfiava no bom combate da fé. Novamente ele declara: “Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.” Hebreus 12:4. Ah, não! Hoje o pecado é acariciado e desculpado. A afiada espada do Espírito, a Palavra de Deus, não cortou até a alma. Mudou, porventura, a religião? A inimizade de Satanás por Deus diminuiu? A vida religiosa antes apresentava dificuldades e demandava abnegação. Tudo é fácil agora. E por que isso? O professo povo de Deus comprometeu-se com os poderes das trevas.T5 222.2

    Precisa haver um reavivamento do rigoroso testemunho. O caminho para o Céu não é mais plano agora do que nos dias de nosso Salvador. Todos os pecados devem ser afastados. Toda acarinhada condescendência que prejudica nossa vida religiosa precisa ser eliminada. O olho direito precisa ser sacrificado, ou a mão direita, se for a causa de ofensa. Estamos dispostos a renunciar à nossa própria sabedoria, e receber o reino do Céu como uma criancinha? Estamos dispostos a nos apartar da justiça própria? Estamos dispostos a abandonar nossos caros companheiros mundanos? Estamos dispostos a sacrificar a aprovação humana? O prêmio da vida eterna tem um valor infinito. Estamos dispostos a fazer os esforços e sacrifícios proporcionais ao valor do objetivo a ser alcançado?T5 222.3

    Toda associação que formamos, embora restrita, exerce alguma influência sobre nós. A amplitude em que nos submetemos a essa influência será determinada pelo grau de intimidade, pela constância da comunicação e por nosso amor e respeito para com a pessoa com quem nos associamos. Assim, por meio de convivência e associação com Cristo podemos tornar-nos semelhantes a Ele, o Exemplo irrepreensível.T5 222.4

    Comunhão com Cristo — quão inexprimivelmente preciosa! É nosso privilégio desfrutar tal comunhão se a procurarmos, se fizermos qualquer sacrifício para obtê-la. Quando os primeiros discípulos ouviram as palavras de Cristo, sentiram necessidade dEle. Buscaram-nO, encontraram-nO e seguiram-nO. Estavam com Ele em casa, à mesa, no aposento e no campo. Estiveram com Ele como os alunos com seu professor, diariamente recebendo de Seus lábios lições da santa verdade. Observavam-nO como servos a seu Senhor, para aprender qual era o dever. Serviam-nO satisfeitos, alegremente. Seguiam-nO como soldados a seu comandante, combatendo o bom combate da fé. “... Os que estão com Ele, chamados, eleitos e fiéis.” Apocalipse 17:14.T5 223.1

    “Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” 1 João 2:6. “Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dEle.” Romanos 8:9. Essa conformidade com Jesus não deixará de ser observada pelo mundo. É assunto notado e comentado. Pode o cristão não estar consciente da grande mudança, pois quanto mais de perto ele se assemelhar a Cristo no caráter, tanto mais humilde será sua opinião acerca de si mesmo; mas será vista e sentida por todos ao redor. Os que têm a mais profunda experiência nas coisas de Deus, são os que mais completamente estão isentos do orgulho ou exaltação própria. Têm os mais humildes pensamentos a respeito de si mesmos e os mais exaltados conceitos da glória e excelência de Cristo. Sentem que o mais humilde lugar em Seu serviço é honroso demais para eles.T5 223.2

    Moisés não percebeu que sua face resplandecia com um brilho doloroso e aterrorizante para aqueles que não haviam, como ele, comungado com Deus. Paulo nutria uma opinião humilde de seu próprio progresso na vida cristã. Ele disse: “Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito...” Filipenses 3:12. Falou de si mesmo como o “principal dos pecadores”. Todavia, Paulo havia sido altamente honrado pelo Senhor. Fora ele levado, em santa visão, até o terceiro céu, e recebera revelações da glória divina que não lhe fora permitido tornar conhecidas.T5 223.3

    João Batista foi chamado por nosso Salvador como o maior de todos os profetas. No entanto, que contraste entre a linguagem desse homem de Deus e a de muitos que professam ser ministros da cruz. Quando perguntado sobre se ele era o Cristo, João declarou-se indigno mesmo de desatar as sandálias de seu Mestre. Quando seus discípulos vieram reclamando que a atenção do povo estava se voltando para o novo Mestre, João lembrou-lhes aquilo que ele mesmo havia já declarado: ser apenas o precursor do Prometido. A Cristo, como Noivo, pertence o primeiro lugar nas afeições de Seu povo. “Aquele que tem a esposa é o esposo; mas o amigo do esposo, que lhe assiste e o ouve, alegra-se muito com a voz do esposo. Assim, pois, já essa minha alegria está cumprida. É necessário que Ele cresça e que eu diminua. Aquele que vem de cima é sobre todos... Aquele que aceitou o Seu testemunho, esse confirmou que Deus é verdadeiro.” João 3:29-31, 33.T5 224.1

    Esse tipo de obreiro é hoje necessário à causa de Deus. O auto-suficiente, o invejoso e ciumento, o crítico e o descobridor de faltas, bem podem ser dispensados dessa sagrada obra. Esses não deveriam ser tolerados no ministério, embora possam, aparentemente, ter feito algum bem. Deus não Se constrange por homens ou meios. Ele chama obreiros que são verdadeiros e fiéis, puros e santos; aqueles que sentem sua necessidade do sangue expiatório de Cristo e da santificadora graça de Seu Espírito.T5 224.2

    Meus irmãos, Deus é ofendido por seus ciúmes e desconfianças, amarguras e brigas. Em todas essas coisas vocês estão prestando obediência a Satanás e não a Cristo. Quando vemos homens firmes nos princípios, sem medo do dever, zelosos na causa de Deus, todavia humildes e mansos, bondosos e ternos, pacientes com todos, prontos a perdoar e manifestando amor pelas pessoas por quem Cristo morreu, não necessitamos perguntar: “São eles cristãos?” Dão eles inequívoca evidência de que têm estado com Cristo e aprendido dEle. Quando os homens revelam traços opostos, quando são orgulhosos, presunçosos, frívolos, mundanos, avarentos, grosseiros e críticos, não precisamos que nos seja dito com quem eles estão associados, e quem é seu amigo íntimo. Podem não crer em feitiçarias, mas, apesar disso, estão tendo comunhão com espíritos maus.T5 224.3

    A essa classe, eu gostaria de dizer: “Não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa. Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.” Tiago 3:14-18.T5 225.1

    Quando os fariseus e saduceus afluíam ao batismo de João, esse destemido pregador da justiça assim se dirigia a eles: “Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento.” Lucas 3:7, 8. Esses eram movidos por motivos inconfessáveis ao virem a João. Eram homens de princípios nocivos e práticas corruptas. Entretanto, não tinham noção de sua verdadeira condição. Cheios de orgulho e ambição, não hesitavam em exaltar-se e fortalecer sua influência sobre o povo, fossem quais fossem os meios. Vieram para receber o batismo das mãos de João para que pudessem melhor levar avante seus desígnios.T5 225.2

    João leu seus motivos e enfrentou-os com a penetrante pergunta: “Quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir?” Lucas 3:7. Houvessem eles ouvido a voz de Deus falando a seu coração, teriam dado evidência do fato produzindo frutos dignos de arrependimento. Mas, tais frutos não existiam. Ouviam a advertência como mera voz de homem. Estavam encantados com o poder e a coragem com que João falava, mas o Espírito de Deus não havia podido trazer convicção a seu coração e produzido fruto para a vida eterna. Eles não davam evidência de transformação do coração. João queria fazê-los entender que, sem o transformador poder do Espírito Santo, nenhuma cerimônia exterior poderia beneficiá-los.T5 225.3

    A repreensão do profeta é aplicável a muitos em nossos dias. Eles não podem contradizer os claros e convincentes argumentos que sustentam a verdade, mas a aceitam mais como resultado do arrazoamento humano do que pela divina revelação. Não têm eles verdadeiro senso de sua condição como pecadores; não manifestam qualquer contrição real em seu coração, mas, como os fariseus, sentem que é uma grande concessão de sua parte aceitarem a verdade.T5 226.1

    Ninguém está mais distanciado do reino do Céu do que os formalistas justos a seus próprios olhos, cheios de orgulho e realizações pessoais, totalmente destituídos do espírito de Cristo; embora inveja, ciúmes e amor ao aplauso e à popularidade os dominem. Eles pertencem à mesma classe daqueles a quem João se dirigiu chamando-os de raça de víboras, filhos do maligno. Tais pessoas se acham entre nós, despercebidas, insuspeitas. Elas servem à causa de Satanás mais efetivamente do que os mais vis e devassos, pois esses não disfarçam seu verdadeiro caráter; são o que são.T5 226.2

    Deus requer frutos dignos de arrependimento. Sem eles, nossa profissão de fé é sem valor. O Senhor é capaz de suscitar verdadeiros crentes entre aqueles que nunca ouviram de Seu nome. “Não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai, porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão.” Lucas 3:8.T5 226.3

    Deus não depende de pessoas não convertidas de coração e vida. Ele nunca dará Seu favor a quem quer que seja que pratique a iniqüidade. “E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não dá bom fruto é cortada e lançada no fogo.” Lucas 3:9.T5 226.4

    Os que enaltecem e bajulam o pastor, enquanto negligenciam as obras de justiça, dão inequívoca evidência de que estão convertidos ao pastor e não a Deus. Perguntamos: “Quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir?” Lucas 3:7. Foi a voz do Espírito Santo ou meramente a do homem que vocês ouviram na mensagem enviada por Deus? O fruto testificará do verdadeiro caráter da árvore.T5 227.1

    Nenhuma forma exterior pode tornar-nos puros; nenhuma ordenança administrada pelo mais santo dos homens pode tomar o lugar do batismo do Espírito Santo. O Espírito de Deus precisa fazer Sua obra no coração. Todos os que não experimentaram Seu poder regenerador são joio entre o trigo. Nosso Senhor está com a peneira na mão e limpará totalmente Sua eira. No dia final Ele fará diferença “entre o que serve a Deus e o que não O serve”. Malaquias 3:18.T5 227.2

    O espírito de Cristo será revelado em todos aqueles que nasceram de Deus. Rivalidades e contendas não podem ocorrer entre aqueles que são controlados por Seu Espírito. “Purificai-vos, vós que levais os utensílios do Senhor.” Isaías 52:11. A igreja dificilmente adotará padrão mais elevado do que aquele de seus pastores. Precisamos de um ministério convertido e de um povo convertido. Pastores que vigiam pelos salvos como quem deve deles dar conta, conduzirão o rebanho nos caminhos de paz e santidade. Seu sucesso nessa obra será proporcional ao próprio crescimento na graça e conhecimento da verdade. Quando os professores são santificados de corpo, alma e espírito, podem impressionar o povo com a importância de tal santificação.T5 227.3

    Falar de assuntos religiosos de modo casual, orar por bênçãos espirituais sem verdadeira fome de alma e viva fé, pouco aproveita. A assombrada multidão que se comprimia junto a Cristo não compreendia o poder vital do contato. Mas quando a pobre e sofredora mulher, em sua grande necessidade, estendeu a mão e tocou a orla da veste de Cristo, sentiu Sua virtude curadora. Foi seu o toque da fé. Cristo o reconheceu e Se determinou a dar uma lição a todos os Seus seguidores até o final dos tempos. Percebera que dEle saíra virtude e, voltando-Se para a multidão, perguntou: “Quem tocou nas Minhas vestes?” Marcos 5:30. Surpreendidos com a pergunta de Jesus, os discípulos responderam: “Vês que a multidão te aperta, e dizes: Quem me tocou?” Marcos 5:31.T5 227.4

    Jesus olhou para ela e a mulher encheu-se de temor. Sua alegria era imensa, mas será que havia se excedido? Sabendo o que ocorrera consigo, ela veio tremendo, prostrou-se a Seus pés e Lhe contou toda a verdade. Cristo não a reprovou. Gentilmente disse-lhe: “Vai em paz e sê curada deste teu mal.” Marcos 5:34.T5 228.1

    Aqui está a diferença do contato casual com o toque da fé. Oração e pregação, sem o exercício de uma viva fé em Deus, serão vãs. Mas o toque da fé nos abre o cofre do tesouro do poder e sabedoria. Assim, mediante instrumentos de barro, Deus realiza as maravilhas de Sua graça.T5 228.2

    Essa fé viva é nossa grande necessidade hoje em dia. Precisamos conhecer que Jesus é realmente nosso; que Seu Espírito está purificando e refinando nosso coração. Se os ministros de Cristo tiverem fé genuína, em mansidão e amor, que obra poderão realizar! Que fruto seria produzido para a glória de Deus!T5 228.3

    Que lhes poderei dizer, meus irmãos, que os desperte de sua segurança carnal? Têm-me sido mostrados seus perigos. Há na igreja tanto crentes como descrentes. Cristo apresenta essas duas classes em Sua parábola da videira e seus ramos. Exorta Ele a Seus seguidores: “Estai em Mim, e Eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em Mim. Eu sou a videira, vós as varas; quem está em Mim, e Eu nele, esse dá muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer.” João 15:4, 5.T5 228.4

    Há grande diferença entre uma suposta união e uma união verdadeira com Cristo, pela fé. O professar crer na verdade põe homens na igreja, mas isso não prova que tenham união vital com a Videira verdadeira. É-nos dada uma regra pela qual pode ser distinguido o verdadeiro discípulo dentre aqueles que alegam seguir a Cristo mas nEle não têm fé. Aqueles produzem fruto; estes são infrutíferos. Aqueles são muitas vezes sujeitos à podadeira de Deus, para que possam produzir mais fruto; estes, como ramos murchos, estão para ser cortados da Videira viva.T5 228.5

    Estou profundamente desejosa de que nosso povo preserve o testemunho vivo; e que a igreja seja mantida isenta do elemento descrente. Poderemos imaginar uma relação mais íntima com Cristo do que a exposta nas palavras: “Eu sou a Videira, vós as varas?” João 15:5. As fibras dos ramos são quase idênticas às da videira. A comunicação da vida, força e frutificação, do tronco para os ramos, é constante e sem obstáculos. A raiz envia seu alimento através dos ramos. Tal é a verdadeira relação do crente para com Cristo. Permanece em Cristo, e dEle obtém sua nutrição.T5 229.1

    Essa relação espiritual só pode ser estabelecida pelo exercício da fé pessoal. Essa fé deve expressar suprema preferência de nossa parte, perfeita confiança, inteira consagração. Nossa vontade tem de estar completamente submetida à vontade divina, nossos sentimentos, desejos, interesses e honra, identificados com a prosperidade do reino de Cristo e a honra de Sua causa, nós constantemente dEle recebendo graça, e Cristo aceitando nossa gratidão.T5 229.2

    Estabelecida essa intimidade de relação e comunhão, nossos pecados são postos sobre Cristo e Sua justiça nos é imputada. Ele foi feito pecado por nós, para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus. Por Ele temos acesso a Deus; somos aceitos no Amado. Todo aquele que, por palavra ou ato, prejudicar um crente, por esse modo fere a Jesus. Todo que der um copo de água fria a um discípulo por ser filho de Deus, será por Cristo considerado como Lho tendo dado a Ele.T5 229.3

    Foi quando Cristo estava para Se despedir de Seus discípulos, que Ele lhes deu o lindo emblema de Sua relação com os crentes. Estivera a apresentar-lhes a íntima união com Ele, pela qual podiam manter a vida espiritual quando fosse afastada Sua presença visível. Para impressionar-lhes o espírito, apresentou-lhes a videira como seu símbolo mais notável e apropriado.T5 230.1

    Os judeus tinham sempre considerado a videira a mais nobre das plantas, símbolo de tudo que era poderoso, excelente e frutífero. Era como se Jesus dissesse: “A videira, que tanto prezam, é um símbolo. Eu sou a realidade; Eu sou a Videira verdadeira. Como nação, dão importância à videira; como pecadores que são, deveriam valorizar-Me acima de todas as coisas terrenas. Não pode o ramo viver separado da videira; tampouco podem vocês viver a menos que permaneçam em Mim.”T5 230.2

    Todos os seguidores de Cristo terão profundo interesse nessa lição, como os discípulos que ouviram pessoalmente Suas palavras. Em sua apostasia, o homem alienou-se de Deus. A separação é profunda e terrível, mas Cristo fez provisão para religar-nos a Ele. O poder do mal está tão identificado com a natureza humana, que nenhum homem pode vencê-lo, exceto pela união com Cristo. Através dessa ligação recebemos poder moral e espiritual. Se temos o Espírito de Cristo produziremos o fruto da justiça, que abençoará os homens e glorificará a Deus.T5 230.3

    O Pai é o Viticultor. Misericordiosa e habilmente Ele limpa cada ramo frutífero. Aqueles que compartilham dos sofrimentos e vitupério de Cristo agora, participarão de Sua glória no futuro. Cristo não Se envergonha de chamá-los irmãos. Seus anjos os atendem. Em Sua segunda vinda Ele aparecerá como o Filho do homem, identificando-Se, mesmo em Sua glória, com a humanidade. Aos que se unem a Ele, Cristo diz: “Mas, ainda que esta se esquecesse, Eu, todavia, Me não esquecerei de ti. Eis que, na palma das Minhas mãos, te tenho gravado; os teus muros estão continuamente perante Mim.” Isaías 49:15, 16.T5 230.4

    Oh, que excepcionais privilégios nos são oferecidos! Envidaremos nós os mais diligentes esforços para formar aliança com Cristo, através da qual somente essas bênçãos são concedidas? Apartar-nos-emos de nossos pecados pela justiça e de nossas iniqüidades, voltando-nos para o Senhor? Ceticismo e infidelidade estão disseminados. Cristo fez a pergunta: “Quando, porém, vier o Filho do homem, porventura, achará fé na Terra?” Lucas 18:8. Precisamos alimentar uma fé viva e ativa. A permanência da fé é a condição de nossa união.T5 231.1

    A união com Cristo, por meio da fé viva, é duradoura; qualquer outra união está condenada a perecer. Cristo nos escolheu primeiro pagando por nossa redenção um preço infinito; e o verdadeiro crente escolhe a Cristo como primeiro, e último, e melhor de todas as coisas. Essa união porém, custa-nos alguma coisa. É uma união da mais íntima dependência, da qual deverá participar um ser orgulhoso. Todos os que a formam precisam sentir sua necessidade do sangue propiciador de Cristo. Precisam experimentar a mudança do coração. Precisam submeter sua própria vontade à vontade de Deus. Haverá luta contra obstáculos externos e internos. É preciso que haja doloroso trabalho de desligamento bem como de ligamento. O orgulho, o egoísmo, a vaidade, o mundanismo — o pecado em todas as suas formas — precisa ser vencido, se quisermos entrar em comunhão com Cristo. A razão por que muitos acham a vida cristã tão deploravelmente difícil, por que são tão inconstantes, tão volúveis, é que procuram ligar-se a Cristo sem primeiramente se desligarem de ídolos acariciados.T5 231.2

    Depois de haver sido formada a união com Cristo, ela só pode ser conservada por meio de fervorosa oração e incansável esforço. Devemos resistir ao próprio eu, negá-lo, vencê-lo. Mediante a graça de Cristo, pela coragem, pela fé, pela vigilância, é-nos possível obter a vitória.T5 231.3

    Os crentes tornam-se um em Cristo, mas um ramo não pode sustentar outro. A nutrição precisa ser obtida através de conexão vital com a Videira. Precisamos sentir nossa completa dependência de Cristo. Devemos viver pela fé no Filho de Deus. Esse é o significado da ordem “Habita em Mim”. A vida que vivemos na carne não é pela vontade dos homens, nem para agradar aos inimigos de nosso Senhor, mas para servir e honrar Aquele que nos amou e a Si mesmo Se deu por nós. Um mero assentimento a essa união, enquanto as afeições não estão afastadas do mundo, de seus prazeres e dissipações, apenas estimula o coração no caminho da desobediência.T5 231.4

    Como um povo, estamos tristemente destituídos de fé e amor. Nossos esforços são, de modo geral, muito débeis em vista do perigo que enfrentamos em nossos dias. O orgulho e o amor aos prazeres, a impiedade e iniqüidade pelas quais estamos cercados, exercem influência sobre nós. Poucos há que reconhecem a importância de evitar, quanto possível, todas as associações inimigas da vida religiosa. Ao escolher seu ambiente, poucos dão a sua prosperidade espiritual a primeira consideração.T5 232.1

    Pais, com a família, afluem às cidades porque na sua fantasia pensam ser mais fácil ganhar o pão ali, do que no campo. Os filhos, não tendo nada que fazer quando não estão na escola, obtêm a educação da rua. Das más associações contraem hábitos de vício e dissipação. Os pais vêem tudo isso; mas requereria um sacrifício corrigir seu erro, e assim deixam-se ficar onde estão, até que Satanás ganhe controle completo sobre seus filhos. É melhor sacrificar toda e qualquer consideração mundana, do que pôr em perigo as preciosas vidas confiadas ao seu cuidado. Elas serão assediadas pelas tentações, e devem ser ensinadas a enfrentá-las; mas é seu dever cortar qualquer influência, romper com todo hábito, quebrar todo laço que impedir de, com a sua família, se entregarem a Deus de maneira mais franca, positiva e sincera.T5 232.2

    Em lugar da cidade apinhada, busquem algum ambiente afastado onde seus filhos possam estar, tanto quanto possível, ao abrigo das tentações, e ali os preparem e os eduquem de modo a se tornarem úteis. O profeta Ezequiel assim enumera as causas que levaram ao pecado e destruição de Sodoma: “Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca esforçou a mão do pobre e do necessitado.” Ezequiel 16:49. Todos os que querem escapar da condenação de Sodoma, devem fugir do procedimento que trouxe os juízos de Deus sobre aquela ímpia cidade.T5 232.3

    Meus irmãos, vocês desrespeitam as mais sagradas reivindicações de Deus, por sua negligência de se consagrarem a Ele, vocês e seus filhos. Muitos de vocês estão repousando em falsa segurança, absortos em interesses egoístas e atraídos por tesouros terrestres. Não temem mal algum. O perigo lhes parece muito remoto. Serão enganados, iludidos, para sua ruína eterna, a menos que despertem e com penitência e profunda humilhação se voltem ao Senhor.T5 233.1

    Vez após outra, a voz do Céu tem se dirigido a vocês. Obedecerão a essa voz? Atenderão ao conselho da Testemunha Verdadeira, de buscar o ouro provado no fogo, as vestes brancas e o colírio? O ouro é fé e amor. As vestes brancas são a justiça de Cristo. O colírio é aquele discernimento espiritual que os habilitará a reconhecer as ciladas de Satanás e evitá-las, a detectar e abominar o pecado, a ver a verdade e obedecer-lhe.T5 233.2

    A mortal letargia do mundo está paralisando seus sentidos. O pecado já não lhes parece repulsivo, porque vocês estão cegados por Satanás. Os juízos de Deus dentro em breve serão derramados sobre a Terra. “Escapa-te por tua vida” (Gênesis 19:17), eis a advertência dos anjos de Deus. Outras vozes se ouvem, dizendo: “Não os impressionem; não existe motivo para alarme especial.” Os que, em Sião, se acham à vontade, clamam: “Paz e segurança!” (1 Tessalonicenses 5:3) enquanto o Céu declara que está para vir sobre os transgressores rápida destruição. Os jovens, os frívolos, os amantes de prazeres, consideram essas advertências como fábulas vãs, e lhes volvem costas com um gracejo. Os pais inclinam-se a pensar que seus filhos vão muito bem, e todos continuam em estado de sonolência. Assim foi ao ser destruído o mundo antigo, e quando Sodoma e Gomorra foram destruídas pelo fogo. Na véspera de sua destruição, as cidades da planície tumultuavam em prazeres. Ló foi ridicularizado por seus temores e advertências. Mas foram aqueles escarnecedores que pereceram nas chamas. Naquela mesma noite a porta da misericórdia foi para sempre cerrada para os ímpios descuidosos habitantes de Sodoma.T5 233.3

    É Deus quem segura nas mãos o destino das pessoas. Ele não será escarnecido para sempre; não será para sempre desdenhado. Já os Seus juízos se manifestam na Terra. Ferozes e terríveis tempestades deixam destruição e morte em sua esteira. O fogo devorador nivela a desolada floresta e a cidade apinhada. Tempestade e naufrágio aguardam os que viajam no mar. Acidentes e calamidades ameaçam a todos os que viajam em terra. Furacões, terremotos, espada e fome, seguem em rápida sucessão. Contudo, o coração dos homens se acha endurecido. Não reconhecem a voz de advertência de Deus. Não fogem da tempestade que se aproxima para o único refúgio.T5 234.1

    Muitos que foram colocados sobre os muros de Sião, para vigiar com vista de águia a aproximação do perigo e erguerem a voz de advertência, estão eles mesmos adormecidos. Os mesmos que deveriam ser os mais ativos e vigilantes nesta hora de perigo, estão negligenciando seu dever e trazendo sobre si mesmos a condenação dos perdidos.T5 234.2

    Meus irmãos, acautelem-se contra um coração incrédulo e maligno. A Palavra de Deus é clara e minuciosa em suas restrições; ela se opõe à sua condescendência egoísta, por isso vocês não lhe obedecem. Os testemunhos de Seu Espírito chamam a atenção para as Escrituras, apontando-lhes seus defeitos de caráter e repreendendo seus pecados, por essa razão vocês não os ouvem. E, para justificar sua conduta carnal e amante de facilidades, vocês duvidam que os testemunhos provenham de Deus. Se os irmãos obedecessem a seus ensinos, estariam certos de sua origem divina. Lembrem-se: a incredulidade de vocês não afeta a sua autenticidade. Se eles são de Deus, permanecerão. Aqueles que buscam diminuir a fé do povo de Deus nesses testemunhos, que têm estado na igreja nesses últimos trinta e seis anos, estão lutando contra Deus. Não é ao instrumento a quem vocês menosprezam e insultam, mas a Deus, que lhes tem dado essas advertências e reprovações.T5 234.3

    Na instrução dada por nosso Salvador a Seus discípulos, há palavras de admoestação que nos são especialmente aplicáveis: “E olhai por vós, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.” Lucas 21:34. Vigiar, orar e trabalhar — eis o que é verdadeira vida de fé. “Orai sem cessar” (1 Tessalonicenses 5:17), isto é, estar sempre em espírito de oração e então ficar sempre de prontidão para a vinda do Senhor.T5 235.1

    Os vigias são responsáveis pela condição do povo. Enquanto vocês abrem a porta ao orgulho, à inveja, dúvida e outros pecados, haverá contenda, ódio e toda má obra. Jesus, o manso e humilde, pede entrada como seu convidado, mas vocês estão temerosos de mandá-Lo entrar. Ele nos tem falado através do Novo e do Antigo Testamentos e ainda nos fala por meio de Seu Espírito e providências. Suas instruções são designadas a tornar os homens leais para com Deus e para consigo mesmos.T5 235.2

    Jesus tomou sobre Si a natureza humana, para que pudesse deixar um padrão completo e perfeito para a humanidade. Ele propõe tornar-nos semelhantes a Si mesmo, leais a todo propósito, sentimento e pensamento, retos de coração, espírito e vida. Isso é cristianismo. Nossa natureza decaída precisa ser purificada, enobrecida e consagrada pela obediência à verdade. A fé cristã nunca se harmonizará com os princípios mundanos; a integridade cristã é oposta a todo engano e pretexto. O homem que mais acalenta o amor de Cristo em seu coração, que reflete a imagem do Salvador mais perfeitamente, é, à vista de Deus, o mais nobre e mais honrado sobre a Terra.T5 235.3

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents