Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Testemunhos para a Igreja 5

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 87 — Obreiros em sua causa

    O fato de haver tão grande ajuntamento de pessoas em Battle Creek e por estarem muitos interesses ali centralizados torna-a um preeminente campo missionário. Gente de todas as partes do país acorre ao Hospital e muitos jovens de diversos Estados vêm estudar no Colégio. Esse campo demanda os mais dedicados e fiéis obreiros e os melhores métodos de trabalho, de sorte que uma forte influência em favor de Cristo e da verdade possa ser constantemente exercida. Quando a obra for dirigida como Deus deseja, o poder salvador da graça de Cristo se manifestará entre os que crêem na verdade e será uma luz para os outros.T5 721.1

    Mas há em Battle Creek uma triste negligência em relação aos benefícios disponíveis para manter o coração da obra em saudável condição. Suas vigorosas batidas deveriam ser sentidas em todo o corpo de crentes. Mas se o músculo cardíaco estiver doente e debilitado em sua ação, todos os ramos da Obra ficarão enfraquecidos. É positivamente essencial que haja um saudável poder operante nesse centro, de forma que a verdade possa ser levada a todo o mundo. O conhecimento da última mensagem precisa ser difundido entre as famílias e comunidades de toda parte, e isso requer sábia estratégia para formular planos e educar homens no trabalho.T5 721.2

    Como a obra progride ano após ano, a necessidade de obreiros experientes e fiéis torna-se cada vez mais urgente, e se o povo do Senhor andar em Seus conselhos, tais trabalhadores serão multiplicados. Enquanto nos apoiarmos em Deus buscando sabedoria e poder, Ele desenvolverá nossas habilidades à sua plena extensão. À medida que os obreiros adquirem capacidade mental e espiritual e se tornam familiarizados com os propósitos e procedimentos divinos, terão perspectivas mais amplas da obra para este tempo e estarão melhor qualificados a idear e executar planos visando ao seu progresso. Assim podem acompanhar os passos da providência divina.T5 721.3

    Deveria ser envidado constante esforço para recrutar novos obreiros. Os talentos deveriam ser identificados e reconhecidos. Pessoas possuidoras de piedade e capacidade deveriam ser estimuladas a obter a educação necessária, capacitando-se assim para auxiliar da divulgação da luz da verdade. Todos os que são competentes para isso deveriam ser engajados em algum ramo da obra, de acordo com sua capacidade.T5 722.1

    A solene e importante obra para este tempo não deve ser levada avante unicamente através dos esforços de uns poucos homens escolhidos que têm, até agora, desempenhado as responsabilidades da causa. Enquanto aqueles a quem Deus convocou para ajudarem na realização de determinado serviço fizerem sua parte usando a capacidade que Ele lhes deu, o Senhor não permitirá que a obra sofra interrupções. Em Sua providência Ele chamará e qualificará outros a se unirem com os primeiros, para que juntos avancem ainda mais além e elevem mais alto a bandeira.T5 722.2

    Há, porém, algumas cabeças que não acompanham a obra. Em vez de se adaptarem a suas crescentes demandas, permitem que ela os ultrapasse e os incapacite a compreender e atender às exigências dos tempos. Quando homens a quem Deus qualifica para assumir responsabilidades na causa assumem-na de modo ligeiramente diverso daquele pelo qual foi conduzida até agora, os obreiros mais experientes deveriam ser cuidadosos para que sua conduta não seja tal que impeça de alguma forma esses auxiliares ou restrinja a obra. Alguns podem não compreender a importância de certas medidas, simplesmente porque não discernem as necessidades da obra em todos os seus procedimentos, e não sentem a carga que Deus pôs especialmente sobre outros homens. Aqueles que não estão qualificados para determinado trabalho deveriam acautelar-se a fim de não se interporem no caminho de outros, impedindo-os de realizar os propósitos divinos.T5 722.3

    O caso de Davi ilustra bem o ponto. Ele desejava construir o templo do Senhor e fez ricos estoques de material para esse propósito. Mas o Senhor disse-lhe que ele não faria essa obra e que ela seria delegada a seu filho Salomão. A grande experiência de Davi capacitou-o a aconselhar e animar a Salomão, mas o jovem é quem deveria construir o templo. As fatigadas e extenuadas mentes dos velhos obreiros nem sempre podem discernir a grandeza da obra e acompanhar adequadamente as providências de Deus. Portanto, não deveriam ser integralmente postas sobre eles pesadas responsabilidades. Eles podem não estar proporcionando à obra todos os elementos essenciais ao seu avançamento e, conseqüentemente, retardando-lhe o progresso.T5 723.1

    Por carência de sábia direção, a obra em Battle Creek e em todo o Michigan está muito atrasada. Conquanto nos seja imperioso compreender a situação e necessidades das missões estrangeiras, deveríamos também entender as necessidades do campo doméstico. Se utilizados com sabedoria, os benefícios que Deus pôs ao nosso alcance nos capacitam a enviar aos campos um maior número de obreiros. Há necessidade de um vigoroso trabalho em nossas igrejas. A mensagem especial mostrando importantes e iminentes questões, os deveres e perigos de nosso tempo, deveriam ser apresentados a elas, não de maneira monótona, sem vida, mas “em demonstração do Espírito e poder”. 1 Coríntios 2:4. As responsabilidades precisam ser passadas aos membros da igreja. O espírito missionário deveria ser despertado como nunca antes e os obreiros apontados como necessários, os quais devem agir como pastores do rebanho, empreendendo esforços pessoais para elevar a igreja a uma condição onde a vida espiritual e a atividade sejam vistas em todas as suas fronteiras.T5 723.2

    Muitos talentos se têm perdido para a causa porque os dirigentes não conseguem discerni-los. Sua visão não é ampla o suficiente para descobrir que a obra está se expandindo muito para ser levada avante pelo corpo de obreiros nela empenhado atualmente. Muito, muito mesmo do que deveria ser realizado ainda está por fazer, porque os homens têm tomado as coisas em suas próprias mãos em lugar de dividi-las entre um número maior de trabalhadores, confiando que Deus os ajudará em seus esforços. Eles têm tentado administrar todos os ramos da obra, temendo que outros sejam menos competentes. Sua vontade e discernimento interferem em vários departamentos, e por causa de sua incapacidade de compreender todas as carências da causa em suas diversas partes, grandes prejuízos são contabilizados.T5 723.3

    Uma lição precisa ser aprendida. Quando Deus aponta meios para determinado trabalho, não devemos marginalizá-los e então orar e esperar que Ele opere um milagre para suprir a falta. Se o agricultor falha em arar e semear, Deus não fará um milagre para suprir os efeitos de sua negligência. Na época da colheita, seus campos estão estéreis; não há grãos a serem colhidos, não há feixes a serem recolhidos aos celeiros. Deus providencia a semente e o solo, o sol e a chuva. Se o fazendeiro emprega os meios à sua disposição, colherá de acordo com sua semeadura e trabalho.T5 724.1

    Há grandes leis que governam o mundo natural; as coisas espirituais são controladas por princípios igualmente exatos. Quando se deseja chegar a determinados fins, deve-se empregar os meios adequados. Deus apontou a cada homem uma missão de acordo com sua capacidade. É pela educação e prática que as pessoas são qualificadas para atender a qualquer emergência que possa surgir, e é preciso planejamento sábio para colocar cada uma no lugar certo, visando a proporcionar-lhe experiência para assumir responsabilidades.T5 724.2

    Mas conquanto a educação, o preparo e o conselho dos que têm experiência sejam todos necessários, deve-se ensinar aos obreiros que não se apóiem inteiramente no juízo de qualquer homem. Como livres agentes de Deus, todos devem dEle pedir sabedoria. Quando o discípulo confia inteiramente nos pensamentos de outro e não vai mais além do que lhe aceitar os planos, ele só vê através dos olhos daquele homem e, até certo ponto, é apenas um eco de outro. Deus trata com os homens como seres responsáveis. Ele, por Seu Espírito, atuará através da mente que Ele pôs no homem, contanto que o homem Lhe dê oportunidade de operar e reconheça o Seu trato. É Seu plano que cada um use por si mesmo a mente e a consciência. Ele não deseja que um homem se torne a sombra de outro, tão-somente externando os sentimentos do outro.T5 724.3

    Todos deveriam amar seus irmãos e também respeitar e estimar seus líderes, mas não torná-los seus portadores de cargas. Não devemos despejar todas as nossas dificuldades e perplexidades sobre a cabeça dos outros para esgotá-los. “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada. Peça-a, porém, com fé, não duvidando...” Tiago 1:5, 6. Jesus nos convida: “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, que Sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve.” Mateus 11:29-30.T5 725.1

    O fundamento do cristianismo é Cristo, nossa justiça. Os homens são individualmente responsáveis diante de Deus e cada um deve agir como sentindo Sua presença e não ser dirigido pela mente de outrem, pois, se essa conduta for seguida, as pessoas não serão impressionadas e dirigidas pelo Espírito do grande Eu Sou. Serão mantidas debaixo de uma restrição que não permite qualquer liberdade de ação ou de escolha.T5 725.2

    Não é vontade de Deus que Seu povo em Battle Creek permaneça na presente condição de frieza e inação até que um miraculoso poder opere na igreja e a desperte para a vida e a atividade. Se quisermos ser sábios e usar diligente, piedosa e reconhecidamente os meios por intermédio dos quais luz e bênção advenham ao povo de Deus, então nenhum poder na Terra será capaz de arrebatá-los de nós. Porém, se recusarmos os métodos divinos, não esperemos um milagre Seu para conceder-nos luz, força e poder, pois isso nunca ocorrerá.T5 725.3

    O Senhor mostrou-me que os dirigentes estão embaraçando os rumos de Sua obra, porque acham que ela deve ser feita de determinada maneira e que a bênção terá de vir, mas não reconhecem o que vem de outro jeito. Meus irmãos, que o Senhor possa mostrar-lhes essa questão como de fato é. Deus não age conforme os planos humanos ou como os homens desejam; Ele tem um misterioso modo de executar Suas maravilhas. Por que rejeitar os métodos de trabalho do Senhor? Por que eles não coincidem com nossas idéias? Deus tem Seus indicados canais de luz, mas esses não são necessariamente as mentes de nenhum peculiar grupo de homens. Quando todos assumirem seu lugar indicado na obra de Deus, buscando realmente sabedoria e orientação dEle, então grande progresso será feito ao deixarmos a luz brilhar sobre o mundo. Quando os homens pararem de se colocar no caminho, Deus operará entre eles como nunca dantes.T5 726.1

    Quando amplos planos estiverem sendo feitos, grande cuidado deve ser tomado para que cada ramo da causa esteja harmoniosamente unido a outro, formando assim um todo perfeito. Mas é freqüente ocorrer o contrário, e como resultado a obra fica incompleta. Um homem que tem a supervisão de certo ramo da obra aumenta suas responsabilidades até que, a seu modo de ver, um departamento esteja acima de todos os outros. Quando essa visão estreita é adotada, exerce-se forte influência para conduzir outros a olharem o assunto sob um mesmo prisma. Isso procede da natureza humana; não é do Espírito de Cristo. À medida que se segue essa política, Cristo é excluído da obra e o eu se salienta.T5 726.2

    Os princípios que devem impelir-nos como obreiros na causa de Deus são enunciados pelo apóstolo Paulo. Ele diz: “nós somos cooperadores de Deus.” 1 Coríntios 3:9. “E, tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor e não aos homens.” Colossences 3:23. E Pedro exorta os crentes: “Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá, para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo.” 1 Pedro 4:10, 11.T5 726.3

    Quando estes princípios nos controlam o coração, compreenderemos que a obra é de Deus, não nossa; que Ele tem o mesmo cuidado de cada uma das partes do grande todo. Quando Cristo e Sua glória ocupam o primeiro lugar, e o amor do próprio eu é absorvido pelo amor às pessoas pelas quais Cristo morreu, então nenhum obreiro estará tão completamente absorto num só ramo da causa que perca de vista a importância de todos os outros.T5 727.1

    É o egoísmo também que desperta nos obreiros o sentimento de que seu discernimento é mais digno de confiança e seus métodos de trabalho são os melhores, ou que é seu privilégio de alguma forma subjugar a consciência de outros. Tal era o espírito dos líderes judeus nos dias de Cristo. Em sua exaltação própria, os sacerdotes e rabinos apresentavam normas tão rígidas, e tantas formalidades e cerimônias para desviar de Deus a mente do povo, que não Lhe davam oportunidade para atuar em favor deles. Desse modo, perderam de vista o amor e a misericórdia divinos. Meus irmãos, não sigam pelo mesmo caminho. Permitam que a mente do povo se volte para Deus. Dêem-Lhe a oportunidade de trabalhar por aqueles que O amam. Não imponham sobre o povo normas e regulamentos que, se forem seguidos, o deixariam tão destituído do Espírito de Deus assim como as colinas de Gilboa de orvalho e chuva.T5 727.2

    Há uma deplorável falta de espiritualidade entre nosso povo. É preciso realizar uma grande obra por eles antes que possam tornar-se aquilo que Cristo deseja que sejam, a luz do mundo. Durante anos venho sentindo profunda angústia de alma por causa do que o Senhor me apresenta acerca da carência de Jesus e Seu amor em nossas igrejas. Tem havido um espírito de auto-suficiência e uma disposição para lutar por posições e supremacia. Vi que a glorificação própria tornou-se comum entre os adventistas do sétimo dia, e a menos que o orgulho do homem seja abatido e Cristo exaltado, não estaremos, como um povo, em melhor condição de receber a Cristo em Seu segundo advento do que o povo judeu estava por ocasião da primeira vinda.T5 727.3

    Os judeus aguardavam o Messias; mas Ele não veio como haviam predito que viria, e se Ele houvesse de ser aceito como o Prometido, seus eruditos mestres seriam forçados a reconhecer que haviam errado. Esses líderes separaram-se de Deus, e Satanás lhes trabalhou o espírito a fim de os levar a rejeitar o Salvador. De preferência a diminuir seu orgulho de opinião, fecharam os olhos a todas as evidências de que era o Messias, e não só rejeitaram eles mesmos a mensagem da salvação, mas endureceram o coração do povo contra Jesus. Sua história deve servir-nos de solene advertência. Não devemos nunca esperar que, quando o Senhor tem luz para Seu povo, Satanás se deixe ficar tranquilo a um lado, sem fazer esforços por impedi-los de recebê-la. Trabalhará nos espíritos para despertar desconfiança, inveja e incredulidade. Cuidemos para não recusar a luz que Deus envia, por não vir da maneira que nos agrada. Não seja desviada de nós a bênção de Deus por não conhecermos o tempo de nossa visitação. Se houver quem não reconheça nem aceite a luz, que não feche o caminho a outros. Não se venha a dizer deste povo, altamente favorecido, o que foi dito dos judeus quando lhes foram pregadas as boas novas do reino: “Vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam.” Lucas 11:52.T5 728.1

    Na Palavra de Deus é-nos ensinado que este é o tempo, acima de todos os outros, em que podemos esperar luz do Céu. É agora que devemos aguardar um refrigério pela presença do Senhor. Devemos estar atentos às atuações da Providência Divina como o exército de Israel estava atento ao “ruído de andadura pelas copas das amoreiras” (1 Crônicas 14:15) — o sinal de que o Céu agiria em seu favor.T5 728.2

    Deus não pode glorificar o Seu nome por meio de Seu povo enquanto estiverem se apoiando no homem e fazendo da carne mortal o seu braço. Sua condição atual de debilidade continuará até que só Cristo seja exaltado; até que, com João Batista, digam com coração humilde e reverente: “É necessário que Ele cresça e que eu diminua.” João 3:30. Foram-me dadas palavras para ser ditas ao povo de Deus: “Exaltem o Homem do Calvário. Recue a humanidade para que todos contemplem Aquele em quem se centralizam as esperanças de vida eterna. Diz o profeta Isaías: ‘Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.’ Isaías 9:6. Que a igreja e o mundo olhem para o seu Redentor. Proclamem todas as vozes com João: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.’” João 1:29.T5 729.1

    É à alma sedenta que se abre a fonte das águas vivas. Deus declara: “Derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca.” Isaías 44:3. Às pessoas que buscam diligentemente a luz e que aceitam de boa vontade todo raio de iluminação divina vindo de Sua Santa Palavra, unicamente a essas, será a luz comunicada. É por meio dessas pessoas que Deus revelará aquela luz e poder que iluminarão toda a Terra com Sua glória.T5 729.2

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents