Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Conselhos sobre o Regime Alimentar

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    O exemplo de Daniel

    33. Para compreender corretamente o assunto da temperança, precisamos considerá-lo do ponto de vista bíblico; e nenhum outro exemplo ilustra de maneira mais completa e implícita a verdadeira temperança e as bênçãos que se lhe seguem, do que a história do profeta Daniel e seus companheiros hebreus na corte de Babilônia. ...CRA 28.3

    Deus sempre honra o direito. Os mais promissores jovens de todas as terras subjugadas pelo grande conquistador tinham sido reunidos em Babilônia; mas dentre todos eles sobressaíam os cativos hebreus. A forma ereta, o passo firme, elástico, a agradável fisionomia, os sentidos apurados, o hálito incontaminado — tudo isto era um certificado de bons hábitos, insígnia da nobreza com que a Natureza honra os que são obedientes a suas leis.CRA 28.4

    A história de Daniel e seus companheiros foi registrada nas páginas da Palavra Inspirada para o benefício da juventude dos séculos futuros. O que homens fizeram, homens podem fazer. Não permaneceram esses jovens hebreus firmes em meio a grandes tentações, e não deram nobre testemunho em favor da verdadeira temperança? Pois a juventude hoje pode dar idêntico testemunho.CRA 28.5

    A lição aqui apresentada é dessas que convém bem considerar. O perigo para nós não está na carência, mas na abundância. Somos constantemente tentados ao excesso. Os que desejarem preservar suas faculdades não diminuídas para o serviço de Deus, precisam observar estrita temperança no uso de Suas bênçãos, bem como total abstinência de tudo que represente condescendência prejudicial ou degradante.CRA 29.1

    A geração que desponta está cercada de seduções destinadas a tentar o apetite. Em nossas grandes cidades, especialmente, toda espécie de condescendência torna-se fácil e convidativa. Aqueles que, como Daniel, recusarem aviltar-se, colherão os frutos de seus hábitos de temperança. Na posse de maior capacidade física e de aumentado poder de resistência, possuem um depósito bancário do qual sacar em caso de emergência.CRA 29.2

    Hábitos físicos corretos promovem a superioridade mental. Faculdade intelectual, força física e longevidade dependem de leis imutáveis. Nesta questão o acaso não existe. O Deus da Natureza não interferirá para preservar os homens das conseqüências da violação das leis da Natureza. Há muita genuína verdade no adágio: “O homem é o arquiteto do seu próprio destino.” Conquanto os pais sejam responsáveis pela estampa do caráter, bem como pela educação e instrução de seus filhos, é ainda verdade que nossa posição e prestatividade no mundo dependem, em grande medida, de nossa própria conduta. Daniel e seus companheiros desfrutaram os benefícios de instrução e educação corretas logo nos primeiros tempos de vida, mas essas vantagens tão-somente, não teriam feito deles o que foram. Chegou o momento em que deviam agir por si mesmos, quando o futuro deles dependia de sua conduta. Decidiram então ser fiéis às lições que lhes foram dadas na meninice. O temor de Deus, que é o princípio da sabedoria, foi o fundamento de sua grandeza. O Espírito de Deus fortaleceu-lhes cada propósito bom, cada nobre resolução. — Christian Temperance and Bible Hygiene, 25-28 (1890).CRA 29.3

    34. Os jovens [Daniel, Hananias, Misael e Azarias] desta escola de preparo deviam não somente ser admitidos no palácio real, mas também comer do alimento e beber do vinho que se serviam à mesa do rei. Em tudo isto o rei considerou que lhes não estava apenas concedendo grande honra, mas assegurando-lhes o melhor desenvolvimento físico e mental que poderiam obter.CRA 29.4

    Entre as iguarias que se serviam ao rei estavam a carne de porco e outros alimentos declarados impuros pela lei de Moisés e terminantemente proibidos aos hebreus como alimento. Aqui Daniel foi colocado perante difícil prova. Devia ele apegar-se aos ensinamentos de seus pais sobre comidas e bebidas, e desagradar o rei, com a provável perda não apenas de sua posição mas da própria vida; ou desconsiderar os mandamentos do Senhor e conservar o favor do rei, garantindo-se dessa forma vantagens intelectuais e as mais sedutoras perspectivas mundanas?CRA 30.1

    Daniel não hesitou muito. Decidiu firmar-se em sua integridade, fosse qual fosse o resultado. Ele resolveu “firmemente não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia”.CRA 30.2

    Há muitos entre os professos cristãos hoje que denunciariam Daniel como tendo sido demasiado minucioso, julgando-o estreito e fanático. Consideram de mínima conseqüência a questão de comer ou beber, para que se reclame uma posição assim decidida — posição que envolve o provável sacrifício de toda vantagem terrena. Mas os que assim arrazoam verificarão no dia do juízo que viraram as costas a expressas exigências de Deus, tendo colocado sua própria opinião como norma do que é direito ou errado. Descobrirão que o que lhes parecia sem importância não era assim considerado por Deus. Seus reclamos devem ser obedecidos religiosamente. Os que aceitam qualquer dos Seus preceitos e a eles obedecem por ser-lhes assim conveniente, ao passo que rejeitam outros porque sua observância demandaria sacrifício, rebaixam a norma do direito, e por seu exemplo levam outros a levianamente considerar a santa lei de Deus. “Assim diz o Senhor” deve ser nossa regra em todas as coisas. ...CRA 30.3

    O caráter de Daniel é apresentado ao mundo como um tácito exemplo do que a graça de Deus pode fazer de homens caídos por natureza e corrompidos pelo pecado. O registro de sua vida nobre, abnegada, é um encorajamento para a nossa comum humanidade. Daí podemos angariar força para nobremente resistir à tentação e, firmemente, na graça da mansidão, permanecer ao lado do direito sob a mais severa prova.CRA 30.4

    Daniel poderia ter encontrado uma desculpa plausível para pôr de lado seus estritos hábitos de temperança; mas para ele a aprovação de Deus era mais estimada do que o favor do mais poderoso potentado terrestre — mais estimada mesmo do que sua própria vida. Havendo por sua delicada conduta alcançado o favor de Melzar, o funcionário que tinha a seu cargo os jovens hebreus, Daniel pediu que lhes fosse permitido não comer das iguarias do rei, nem beber do seu vinho. Melzar temia que se concordasse com este pedido viesse a cair no desagrado do rei, pondo sua própria vida em perigo. Como acontece com muitos hoje, ele supunha que um regime de abstenção tornaria esses jovens pálidos, de aparência doentia e deficientes em força muscular, ao passo que a alimentação luxuriante da mesa do rei os tornaria corados e belos, dando-lhes capacidade física superior.CRA 31.1

    Daniel solicitou que a questão fosse decidida numa prova de dez dias, breve período no qual seria permitido aos jovens hebreus servir-se de alimentos simples, enquanto os outros se serviriam das iguarias do rei. A solicitação foi finalmente atendida, e Daniel sentiu que havia ganho a causa. Embora ainda jovem, havia ele visto os danosos efeitos do vinho e da vida desregrada sobre a saúde física e mental.CRA 31.2

    Ao final dos dez dias os resultados se provaram exatamente o oposto do que Melzar esperava. Não somente na aparência pessoal, mas também na atividade física e vigor mental, os que haviam sido temperantes em seus hábitos exibiam uma evidente superioridade sobre os seus companheiros que haviam sido condescendentes com o apetite. Como resultado desta prova, permitiu-se a Daniel e seus companheiros continuar seu regime simples durante todo o curso de seu treinamento para os deveres do reino.CRA 31.3

    Alcançada a aprovação de Deus

    O Senhor teve em aprovação a abnegação e firmeza desses jovens hebreus, e Suas bênçãos seguiram-nos. Ele lhes deu “o conhecimento e a inteligência em toda cultura e sabedoria; mas a Daniel deu inteligência de todas as visões e sonhos”. E ao expirarem os três anos de aprendizado, quando sua capacidade e erudição foram testadas pelo rei, “entre todos não foram achados outros como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; por isso passaram a assistir diante do rei. E em toda matéria de sabedoria e de inteligência, sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos e encantadores que havia em todo o seu reino”.CRA 31.4

    Aqui está uma lição para todos, mas especialmente para os jovens. Estrita conformidade com os reclamos de Deus é benéfica à saúde do corpo e da mente. Para alcançar a mais elevada norma de consecuções morais e intelectuais, é necessário sabedoria e força de Deus, e observar estrita temperança em todos os hábitos da vida. Na experiência de Daniel e seus companheiros temos um exemplo da vitória do princípio sobre a tentação de condescender com o apetite, uma demonstração de que mediante o princípio religioso podem os jovens triunfar sobre a concupiscência da carne, e permanecer fiéis aos reclamos de Deus, mesmo que isso custe grande sacrifício. — The Review and Herald, 25 de Janeiro de 1881.CRA 32.1

    [Regime de Daniel — 117, 241, 242.]

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents