Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Conselhos sobre o Regime Alimentar

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    O desejo de Israel por carne

    233. Quando o Deus de Israel tirou o Seu povo do Egito, privou-os de alimento cárneo em grande medida, mas deu-lhes pão do Céu e água da dura rocha. Com isto não ficaram eles satisfeitos. Abominaram o alimento que lhes fora dado e desejaram voltar para o Egito, onde podiam sentar-se junto às panelas de carne. Preferiam suportar a escravidão, e até mesmo a morte, a serem privados da carne. Deus lhes satisfez o desejo, dando-lhes carne, e deixando-os comerem-na até que sua glutonaria gerou uma praga, em conseqüência da qual muitos morreram.CRA 148.3

    Todos estes são exemplos

    Exemplo após exemplo poderia ser citado, para mostrar os efeitos do condescender com o apetite. A nossos primeiros pais pareceu coisa de pouca importância transgredir a ordem de Deus naquele único ato — comer do fruto de uma árvore tão linda à vista e tão agradável ao paladar — mas isso rompeu sua fidelidade a Deus e abriu as comportas de um dilúvio de culpa e desgraça que tem inundado o mundo.CRA 149.1

    O mundo hoje

    O crime e a doença têm aumentado com cada geração sucessiva. A intemperança no comer e beber, e a condescendência com as paixões baixas, têm entorpecido as faculdades mais nobres do homem. A razão, em vez de ser dominadora, tornou-se escrava do apetite, numa extensão alarmante. Tem-se condescendido com um crescente desejo de alimento muito substancioso, até que se tornou moda abarrotar o estômago com todas as iguarias possíveis. Especialmente em festa de prazer, condescende-se com o apetite com pouca restrição, apenas. Servem-se ricos almoços e jantares tardios, consistentes de alimentos muito temperados, com molhos condimentados, bolos, tortas, gelados, chá, café, etc. Não admira que, com semelhante regime, o povo tenha rosto pálido e sofra indizíveis torturas com dispepsia. — Christian Temperance and Bible Hygiene, 43, 44; Conselhos Sobre Saúde, 111, 112.CRA 149.2

    234. O presente estado corrupto do mundo foi-me apresentado. Terrível era a visão. Tenho-me admirado de que os habitantes da Terra não fossem destruídos, como o povo de Sodoma e Gomorra. Tenho visto razão suficiente para o presente estado de degeneração e mortalidade no mundo. A paixão cega controla a razão, e muitos sacrificam à concupiscência toda consideração elevada.CRA 149.3

    O primeiro grande mal foi a intemperança no comer e beber. Homens e mulheres têm-se tornado escravos do apetite. São intemperantes no trabalho. Grande quantidade de trabalho árduo é efetuado, para obter para suas mesas alimento que causa grande dano ao organismo já sobrecarregado. Mulheres passam grande parte de seu tempo inclinadas sobre um fogão aquecido, preparando o alimento, altamente adubado com condimentos que satisfaçam seu paladar. Em conseqüência são negligenciados os filhos, e não recebem instrução moral e religiosa. A mãe sobrecarregada de trabalho negligencia o cultivo de um temperamento brando, que é a luz do Sol da habitação. Considerações de valor eterno tornam-se secundárias. Todo o tempo tem de ser empregado no preparo dessas coisas, para a satisfação do apetite — coisas que arruínam a saúde, azedam o temperamento e embotam as faculdades de raciocínio. — Spiritual Gifts 4:131, 132 (1864).CRA 149.4

    235. Por toda parte deparamos com a intemperança. Vemo-la nos carros, nos vapores, e aonde quer que vamos; e devemos perguntar a nós mesmos que estamos fazendo para salvar almas das garras do tentador. Satanás está constantemente alerta, para submeter a raça humana inteiramente ao seu controle. Seu mais forte poder sobre o homem exerce-se através do apetite, e este procura ele estimular de todos os modos possíveis. Todos os estimulantes artificiais são nocivos, e cultivam o desejo de beber. Como poderemos esclarecer o povo, e evitar os terríveis males que resultam do uso dessas coisas? Temos feito tudo que podíamos, nesta questão? — Christian Temperance and Bible Hygiene, 16 (1890).CRA 150.1

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents