Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents

Conselhos sobre o Regime Alimentar

 - Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "".
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Parte 2 — Como apresentar os princípios da reforma de saúde

    Tende presente o grande objetivo da reforma

    789. Grande é a necessidade existente de conhecimentos quanto à reforma dietética. Hábitos errôneos de alimentação, e o uso de comidas nocivas, são em grande parte responsáveis pela intemperança, o crime e a ruína que infelicitam o mundo.CRA 457.3

    Ensinando os princípios da saúde, mantende diante do povo o grande objetivo da reforma — que seu desígnio é assegurar o mais alto desenvolvimento do corpo, da mente e da alma. Mostrai que as leis da Natureza, sendo as leis de Deus, são designadas para nosso bem; que a obediência às mesmas promove a felicidade nesta vida, e contribui no preparo para a vida por vir.CRA 457.4

    Levai o povo a estudar as manifestações do amor e da sabedoria de Deus nas obras da Natureza. Levai-os a estudar esse maravilhoso organismo que é o corpo humano, e as leis que o regem. Os que percebem as evidências do amor de Deus, que compreendem alguma coisa da sabedoria e beneficência de Suas leis, e os resultados da obediência, virão a considerar seus deveres e obrigações sob um ponto de vista inteiramente diverso. Em vez de olhar a observância das leis da saúde como um sacrifício ou uma abnegação, considerá-la-ão, como em realidade é, uma inestimável bênção.CRA 457.5

    Todo obreiro evangélico deve sentir que o instruir o povo quanto aos princípios do viver saudável, é uma parte do trabalho que lhe é designado. Grande é a necessidade dessa obra, e o mundo está aberto para ela. — A Ciência do Bom Viver, 146, 147 (1905).CRA 458.1

    790. Os reclamos de Deus devem impressionar a consciência. Homens e mulheres precisam ser despertados para o dever do império de si mesmos, para a necessidade da pureza, a liberdade de todo aviltante apetite e todo hábito contaminador. Precisam ser impressionados com o fato de que todas as suas faculdades de mente e corpo são dons de Deus, e destinam-se a ser preservadas nas melhores condições possíveis para Seu serviço. — A Ciência do Bom Viver, 130 (1905).CRA 458.2

    Segui os métodos do Salvador

    791. Unicamente os métodos de Cristo trarão verdadeiro êxito no aproximar-se do povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma pessoa que lhes desejava o bem. Manifestava simpatia por eles, ministrava-lhes às necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordenava então: “Segue-Me.”CRA 458.3

    É necessário pôr-se em íntimo contato com o povo mediante esforço pessoal. Se se empregasse menos tempo a pregar sermões, e mais fosse dedicado a serviço pessoal, maiores seriam os resultados que se veriam. Os pobres devem ser socorridos, cuidados os doentes, os aflitos e os que sofreram perdas confortados, instruídos os ignorantes e os inexperientes aconselhados. Cumpre-nos chorar com os que choram, e alegrar-nos com os que se alegram. Aliado ao poder de persuasão, ao poder da oração e ao poder do amor de Deus, esta obra não há de, não pode, ficar sem frutos.CRA 458.4

    Devemos lembrar sempre que o objetivo da obra médico-missionária é encaminhar homens e mulheres e enfermos de pecado ao Homem do Calvário, que tira os pecados do mundo. Contemplando-O, serão eles transformados à Sua imagem. Temos de animar os doentes e sofredores a olharem a Jesus, e viver. Mantenham os obreiros a Cristo, o grande Médico, constantemente diante daqueles a quem a doença física e espiritual levou ao desânimo. Encaminhai-os Àquele que é capaz de curar tanto a moléstia do corpo como a da alma. Falai-lhes dAquele que Se comove diante de suas enfermidades. Animai-os a se colocarem sob o cuidado do que deu Sua vida a fim de tornar possível que eles tenham a vida eterna. Falai de Seu amor; falai de Seu poder para salvar. — A Ciência do Bom Viver, 143, 144 (1905).CRA 458.5

    Usai tato e cortesia

    792. Lembrai-vos, em todo o vosso trabalho, de que vos achais ligados a Cristo, sendo uma parte do grande plano de redenção. O amor de Cristo, numa corrente que cura e vivifica, deve fluir de vossa vida. Ao buscardes atrair outros para o círculo de Seu amor, que a pureza de vossa linguagem, o desinteresse de vosso serviço, o contentamento de vossa conduta, sejam um testemunho ao poder de Sua graça. Oferecei ao mundo uma tão pura e justa representação dEle, que os homens O contemplem em Sua beleza.CRA 459.1

    De pouca utilidade é procurar reformar outros atacando o que podemos considerar maus hábitos. Tais esforços dão muitas vezes em resultado mais dano que bem. Em sua conversa com a samaritana, em lugar de desmerecer o poço de Jacó, Cristo apresentou alguma coisa melhor. “Se tu conheceras o dom de Deus”, disse Ele, “e quem é o que te diz — Dá-Me de beber, tu Lhe pedirias, e Ele te daria água viva.” Desviou a conversa para o tesouro que tinha a dar, oferecendo à mulher alguma coisa melhor do que ela possuía, a própria água viva, a alegria e a esperança do evangelho.CRA 459.2

    Isto é uma ilustração do modo por que devemos trabalhar. Temos de oferecer aos homens alguma coisa melhor do que eles possuem, a própria paz de Cristo, que excede todo o entendimento. Cumpre-nos falar-lhes da santa lei de Deus, a transcrição de Seu caráter, e uma expressão daquilo que Ele quer que se tornem. ...CRA 459.3

    De todos os povos da Terra, deviam ser os reformadores os mais abnegados, os mais bondosos, os mais corteses. Dever-se-ia ver em seus atos a verdadeira bondade dos atos desinteressados. O obreiro que manifesta falta de cortesia, que mostra impaciência ante a ignorância dos outros ou por se acharem extraviados, que fala bruscamente ou procede sem reflexão, pode cerrar a porta de corações por tal maneira que nunca mais lhes seja dado conquistá-los. — A Ciência do Bom Viver, 156, 157 (1905).CRA 460.1

    A reforma do regime deve ser progressiva

    793. Desde o início da obra da reforma do regime alimentar, consideramos necessário instruir, instruir, instruir. Deus quer que prossigamos nessa obra de instruir o povo. ...CRA 460.2

    No ensino da reforma do regime alimentar, como em todo outro ramo do evangelho, devemos considerar as pessoas em sua verdadeira situação. Até que possamos ensiná-las a prepararem alimento saudável que seja apetitoso, nutritivo, e ao mesmo tempo econômico, não temos a liberdade de apresentar-lhes as sugestões mais avançadas referentes à reforma alimentar.CRA 460.3

    Seja progressiva a reforma alimentar. Sejam as pessoas ensinadas a preparar o alimento sem o uso de leite ou manteiga. Diga-se-lhes que breve virá o tempo em que não haverá segurança no uso de ovos, leite, creme ou manteiga, por motivo de as doenças nos animais estarem aumentando na mesma proporção do aumento da impiedade entre os homens. Aproxima-se o tempo em que, por motivo da iniqüidade da raça caída, toda criação animal gemerá com as doenças que amaldiçoam a nossa Terra.CRA 460.4

    Deus concederá ao Seu povo habilidade e tato para preparar alimento saudável sem o uso dessas coisas. Rejeite o nosso povo toda receita insalubre. Aprendam a viver de maneira saudável, ensinando a outros o que aprenderam. Partilhem esse conhecimento como o fariam com a instrução bíblica. Ensinem às pessoas a, evitando a grande quantidade de cozimentos que têm enchido o mundo de inválidos crônicos, preservarem a saúde e o vigor. Por preceito e exemplo, esclareçam que o alimento que Deus deu a Adão em seu estado isento de pecado, é o melhor para o uso do homem, ao buscar ele reaver esse estado de pureza.CRA 460.5

    Os que ensinam os princípios da reforma de saúde devem entender de doenças e suas causas, compreendendo que cada ação do agente humano deve estar em perfeita harmonia com as leis da vida. A luz que Deus proporcionou sobre a reforma de saúde é para nossa salvação e a salvação do mundo. Os homens e as mulheres devem ser informados acerca da habitação humana, preparada por nosso Criador como Seu lugar de morada, e sobre o qual deseja Ele que sejamos mordomos fiéis. “Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles habitarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo.” 2 Coríntios 6:16.CRA 461.1

    Erguei os princípios da reforma de saúde, e deixai que o Senhor dirija os sinceros de coração. Apresentai os princípios da temperança em sua mais atraente forma. Disseminai os livros que dão instrução acerca do viver saudável.CRA 461.2

    A influência de nossas publicações acerca da saúde

    O povo está em triste necessidade da luz que brilha das páginas de nossos livros e revistas acerca da saúde. Deus deseja usar esses livros e revistas como meios através dos quais raios de luz chamem a atenção do povo, levando-os a dar ouvido à advertência da mensagem do terceiro anjo. Nossas revistas de saúde são instrumentalidades no campo, para fazerem uma obra especial na disseminação da luz de que os habitantes do mundo precisam neste dia da preparação de Deus. Naum 2:3. Elas exercem uma influência indizível nos interesses da saúde e temperança e da reforma de pureza social, e efetuarão grande soma de bem ao apresentar ao povo esses assuntos de maneira apropriada e em sua verdadeira luz. — Testimonies for the Church 7:132-136 (1902); Testemunhos Selectos 3:136-139.CRA 461.3

    Folhetos sobre a reforma de saúde

    794. Devem-se envidar esforços mais fervorosos para esclarecer o povo acerca do grande tema da reforma de saúde. Folhetos de quatro, oito, doze, dezesseis e mais páginas, contendo artigos concisos, bem escritos, sobre esta grande questão, devem ser espalhados quais folhas de outono. — The Review and Herald, 4 de Novembro de 1875.CRA 461.4

    [Pacientes do sanatório devem ser ensinados, em conferências no salão — 426]

    [Aos pacientes do sanatório deve ser ensinado o regime correto, mediante mesa devidamente provida — 442-443]

    [Aos pacientes do sanatório deve ser ensinada a temperança — 474]

    Tratar prudentemente a questão da alimentação cárnea

    795. Neste país [Austrália] existe uma sociedade vegetariana organizada, mas é relativamente pequeno o número de seus associados. Entre o povo em geral, a carne é usada largamente, por todas as classes. É o artigo de alimentação mais barato; e mesmo onde a pobreza impera encontra-se em geral a carne sobre a mesa. Por isso, tanto maior a necessidade de usar de prudência ao lidar com a questão do comer carne. Com relação a este assunto não deve haver movimentos precipitados. Devemos considerar a situação do povo, e o poder de hábitos e práticas de toda uma vida, e ser cautelosos em não impor aos outros nossas idéias, como se esta questão fosse um teste, e os que comem carne fossem os maiores pecadores.CRA 462.1

    Todos devem ser esclarecidos neste assunto, mas seja ele apresentado cuidadosamente. Hábitos que foram por toda a vida ensinados como sendo corretos, não devem ser mudados por medidas rudes ou precipitadas. Devemos educar o povo em nossas reuniões campais e outras reuniões grandes. Ao mesmo tempo em que são apresentados os princípios da reforma de saúde, seja o ensino apoiado pelo exemplo. Não seja encontrada carne em nossos restaurantes ou tendas de refeições, mas seja ela substituída por frutas, cereais e verduras. Devemos praticar aquilo que ensinamos. Quando assentados a uma mesa onde haja carne, não devemos vibrar um ataque contra os que a usam, mas deixá-la intocada quanto a nós, e se nos perguntarem a razão de assim proceder, devemos de maneira bondosa explicar o motivo de não a usarmos. — Carta 102, 1896.CRA 462.2

    Tempo para guardar silêncio

    796. Nunca julguei ser meu dever dizer que ninguém deveria provar carne, sob quaisquer circunstâncias. Dizer isto, quando o povo tem sido educado a viver de comer carne em tão grande medida, seria levar ao extremo a questão. Nunca senti ser dever meu fazer asserções arrasadoras. O que tenho dito, disse-o sob uma intuição do dever, mas tenho sido cautelosa em minhas afirmações, porque não queria dar ocasião para qualquer pessoa ser consciência para outro. ...CRA 462.3

    Tenho estado a passar, neste país, por uma experiência semelhante à que tive em novos campos na América. Tenho visto famílias cujas circunstâncias não lhes permitiam suprir a mesa com alimento saudável. Vizinhos incrédulos mandavam-lhes porções de carne, de animais mortos recentemente. Faziam sopa dessa carne, suprindo a suas famílias grandes, de muitos filhos, refeições de sopa e pão. Não era meu dever, nem julgo ter sido dever de quem quer que fosse, fazer-lhes conferências sobre os males do comer carne. Sinto sincera comiseração para com famílias que chegaram à fé recentemente, e que se sentem tão premidas pela pobreza que não sabem de onde lhes virá a próxima refeição. Não é meu dever fazer-lhes discursos sobre o comer saudável. Há tempo para falar, e tempo para calar. A oportunidade oferecida por circunstâncias dessa ordem, é oportunidade para falar palavras que animem e abençoem, em vez de condenar e reprovar. Os que têm vivido com regime cárneo toda a vida, não vêem o mal de continuar essa prática, e têm de ser tratados com brandura. — Carta 76, 1895.CRA 463.1

    797. Conquanto trabalhando contra a glutonaria e a intemperança, necessitamos reconhecer a condição a que está sujeita a família humana. Deus fez provisões para os que vivem nas diversas partes do mundo. Os que desejam ser Seus cooperadores devem refletir maduramente antes de especificar os alimentos que devem ser usados e os que não devem. Cumpre colocar-nos em ligação íntima com as massas. Se a reforma de saúde com todo o seu rigor, for ensinada àqueles cujas circunstâncias não lhes permitem a sua adoção, ter-se-á produzido mais dano do que bem. Quando prego o evangelho aos pobres, sou instruída a dizer-lhes que tomem os alimentos mais nutritivos. Não posso dizer-lhes: “Não deveis comer ovos, nem usar leite ou nata. Não deveis empregar manteiga no preparo de vossos alimentos.” Cumpre que o evangelho seja pregado aos pobres, mas ainda não chegamos ao tempo em que deverá ser prescrito o regime dietético mais rigoroso. — Testimonies for the Church 9:163 (1909).CRA 463.2

    Método errado de trabalho

    798. Não vos apegueis a idéias isoladas fazendo delas um teste, criticando outros cuja prática não concorde com vossa opinião; estudai, porém, ampla e profundamente o assunto, e procurai pôr vossas idéias e práticas em perfeita harmonia com os princípios da verdadeira temperança cristã.CRA 464.1

    Muitos há que procuram corrigir a vida de outros, atacando aquilo que julgam serem hábitos errôneos. Vão ter com os que pensam estar em erro, e apontam-lhes os defeitos, mas não buscam dirigir-lhes a mente para os princípios verdadeiros. Tal procedimento muitas vezes fica muito aquém de conseguir os resultados desejados. Quando tornamos evidente que procuramos corrigir outros, muitas vezes lhes despertamos a combatividade, causando mais dano do que bem. E há esse perigo também para o reprovador. Aquele que toma sobre si a tarefa de corrigir os outros, está sujeito a cultivar um hábito de descobrir faltas, e logo todo o seu interesse estará em procurar defeitos alheios. Não observeis os outros para lhes descobrir senões, para lhes expor os erros. Educai-os em hábitos melhores, mediante o poder de vosso próprio exemplo.CRA 464.2

    Conserve-se sempre em mente que o grande objetivo da reforma de saúde é assegurar o desenvolvimento mais alto possível de espírito, alma e corpo. Todas as leis da Natureza — que são as leis de Deus — destinam-se ao nosso bem. A obediência às mesmas promoverá nossa felicidade nesta vida e nos ajudará no preparo para a vida por vir.CRA 464.3

    Existe algo melhor sobre que falar, do que as faltas e fraquezas alheias. Falai de Deus e de Suas obras maravilhosas. Penetrai as manifestações de Seu amor e sabedoria em todas as obras da Natureza. — Christian Temperance and Bible Hygiene, 119, 120 (1890).CRA 464.4

    Ensinai pelo exemplo

    799. Em vossa associação com incrédulos, não vos permitais desviar-vos dos retos princípios. Se vos assentais a sua mesa, comei temperantemente, e tão-somente de alimento que não torne confuso o espírito. Mantende-vos afastados da intemperança. Não podeis correr o risco de enfraquecer vossas faculdades mentais ou físicas, para não vos tornardes incapazes de discernir as coisas espirituais. Conservai vossa mente em condição na qual Deus a possa impressionar com as preciosas verdades de Sua Palavra. ... Não observeis os outros para apontar-lhes as faltas ou erros. Ensinai-os pelo exemplo. Seja vossa abnegação e vossa vitória sobre o apetite uma ilustração da obediência aos retos princípios. Testifique vossa vida da santificante e enobrecedora influência da verdade. — Testimonies for the Church 6:336 (1900).CRA 464.5

    Apresentai a temperança em sua mais atraente forma

    800. O Senhor deseja que todo pastor, todo médico, todo membro da igreja, seja cuidadoso para não instar com os que ignoram nossa fé, para que façam mudanças súbitas no regime, sujeitando-os assim a um teste prematuro. Erguei os princípios da reforma de saúde, e deixai que o Senhor guie os sinceros de coração. Eles ouvirão e crerão. O Senhor não requer que Seus mensageiros apresentem as lindas verdades da reforma de saúde de modo que escandalize a mente de outros. Não coloque ninguém pedras de tropeço diante daqueles que caminham nas escuras veredas da ignorância. Mesmo ao louvarmos uma coisa boa, convém não nos tornarmos entusiastas demais, para que não desviemos do caminho os que vêm ouvir-nos. Apresentai os princípios da temperança em sua mais atraente forma.CRA 465.1

    Não devemos agir presunçosamente. Os obreiros que penetram em novos territórios a fim de suscitar igrejas, não devem criar dificuldades tentando tornar preeminente a questão do regime alimentar. Devem ser cautelosos para não traçar limites muito estreitos. Seriam assim lançados impedimentos na vereda de outros. Não fustigueis o povo. Guiai-o. Pregai a Palavra como é em Cristo Jesus. ... Devem os obreiros envidar esforços resolutos e perseverantes, lembrando-se de que nem tudo se pode aprender de uma vez. Devem manter a firme resolução de ensinar o povo pacientemente. — Carta 135, 1902.CRA 465.2

    801. Não vos lembrais de que temos uma responsabilidade individual? Não fazemos de artigos de alimentação uma questão de teste, mas procuramos educar o intelecto, e despertar a sensibilidade moral para que assimile a reforma de saúde de modo inteligente, de acordo com o que Paulo diz em Romanos 13:8-14; 1 Coríntios 9:24-27; 1 Timóteo 3:8-12. — Manuscrito 1, 1890.CRA 466.1

    Ide ao encontro do povo onde se acha

    802. Certa ocasião Sara [McEnterfer] foi chamada para uma família em Dora Creek, onde todos os membros da casa estavam doentes. O pai pertencia a uma família altamente respeitável, mas dera para beber, e a esposa e os filhos estavam em grande necessidade. Nesse tempo de doença, não tinham em casa coisa alguma apropriada para comer. E recusaram-se a comer tudo que lhes levamos. Estavam acostumados a comer carne. Concluímos que alguma coisa se devia fazer. Eu disse a Sara: Apanhe umas galinhas do meu galinheiro, e prepare-lhes um caldo. Assim Sara os tratou em sua doença, dando-lhes desse caldo. Logo se restabeleceram.CRA 466.2

    Esta foi nossa maneira de proceder. Não dissemos ao povo: Vocês não devem comer carne. Embora nós mesmos não usássemos carne, quando a julgamos necessária àquela família em sua doença, demos-lhe aquilo que julgávamos precisarem. Há ocasiões em que temos de ir ao encontro das pessoas onde se acham.CRA 466.3

    O chefe dessa família era homem inteligente. Quando a família se restabeleceu, abrimos-lhes as Escrituras, e aquele homem se converteu, aceitando a verdade. Atirou fora seu cachimbo, abandonou a bebida, e daí por diante, em toda a sua vida, não mais fumou nem bebeu. Logo que foi possível, tomamo-lo em nosso sítio, provendo-lhe trabalho na terra. Enquanto estávamos fora, assistindo a reuniões em Newcastle, esse homem morreu. Alguns de nossos obreiros lhe haviam ministrado tratamentos completos, mas o corpo, por tanto tempo abusado, não mais correspondeu aos seus esforços. Morreu, porém, como cristão e observador dos mandamentos. — Carta 363, 1907.CRA 466.4

    Defrontando pontos de vista extremos — Uma afirmação histórica*Para uma afirmação colateral, de Tiago White, ver Apêndice 2.

    803. Quando voltamos de Kansas, no outono de 1870, o irmão B estava, em sua casa, doente com febre. ... Seu caso era grave. ...CRA 467.1

    Não houve para nós período de descanso, por muito que disso necessitássemos. Deviam ser publicados a Review, o Reformer e o Instructor. [Nessa ocasião todos os redatores estavam doentes.]... Meu marido começou seu trabalho e eu o ajudei quanto pude. ...CRA 467.2

    O Reformer estava a bem dizer morto. O irmão B insistira nos pontos de vista extremos do Dr. Trall. Isto influíra no doutor, para se externar no Reformer de modo mais radical, quanto a deixar o uso do leite, açúcar e sal. A atitude de dever-se abandonar inteiramente o uso desses artigos pode estar certa, a seu tempo; mas não viera ainda a ocasião de assumir uma atitude geral quanto a esses pontos. E os que assumem essa posição, advogando o completo abandono do leite, manteiga e açúcar, devem afastar de sua própria mesa essas coisas. O irmão B, mesmo enquanto se punha ao lado do Reformer, com o Dr. Trall, quanto a terem efeito nocivo o sal, leite e açúcar, não praticava aquilo que ensinava. Sobre sua própria mesa esses artigos eram usados diariamente.CRA 467.3

    Muitos dentre nosso povo haviam perdido o interesse no Reformer, e recebiam-se diariamente cartas com este pedido desencorajador: “Queiram cancelar minha assinatura do Reformer.”... Em nenhum lugar do Oeste pudemos despertar interesse no sentido de obter assinaturas do Health Reformer. Vimos que os colaboradores do Reformer se afastavam do povo, deixando-o atrás. Se desposamos opiniões que os cristãos conscienciosos, que são de fato reformadores, não podem adotar, como esperar beneficiar a classe de pessoas que só podemos alcançar no terreno da saúde?CRA 467.4

    Paciência, cautela e coerência são necessários na ação da reforma

    Não devemos ir mais depressa do que nos possam acompanhar aqueles cuja consciência e intelecto estão convencidos das verdades que advogamos. Temos de ir ao encontro do povo onde se acha. Alguns dentre nós levaram muitos anos para chegar à posição em que se encontram agora, na questão da reforma de saúde. É obra lenta, efetuar uma reforma no regime. Temos poderosos apetites a defrontar; porque o mundo é dado à glutonaria. Se concedêssemos ao povo tanto tempo quanto nós necessitamos para alcançar o progressista estado presente na reforma, seríamos muito pacientes com eles, e lhes permitiríamos que avançassem passo a passo, como fizemos nós, até que seus pés estivessem firmemente estabelecidos na plataforma da reforma de saúde. Devemos, porém, ser muito cautelosos para não avançar muito depressa, para que não sejamos obrigados a voltar atrás. Em matéria de reformas, é melhor ficar um passo aquém da meta do que avançar um passo para além. E se houver erro, seja então do lado mais chegado ao povo.CRA 468.1

    Acima de todas as coisas, não devemos defender com a pena posições que não ponhamos a uma prova prática em nossa própria família, em nossas próprias mesas. Isso seria uma dissimulação, uma espécie de hipocrisia. No Michigan podemos passar melhor sem sal, açúcar e leite do que muitos que moram no Extremo Ocidente ou no Extremo Oriente,*Dos Estados Unidos. onde há escassez de frutas. ... Sabemos que o livre uso desses artigos é positivamente nocivo à saúde, e em muitos casos pensamos que, se não fossem usados absolutamente, gozar-se-ia muito melhor estado de saúde.CRA 468.2

    Mas no presente nossa preocupação não é em relação a essas coisas. O povo está tão atrasado que vemos que, tudo que podem suportar agora é que os esclareçamos quanto às condescendências nocivas e os estimulantes narcóticos. Apresentamos positivo testemunho contra o fumo, as bebidas alcoólicas, rapé, chá, café, alimentos cárneos, manteiga, condimentos, bolos requintados, pastéis de carne, excesso de sal, e todas as substâncias excitantes usadas como alimento.CRA 468.3

    Se, aproximando-nos de pessoas que não foram esclarecidas em relação à reforma de saúde, lhes apresentarmos a princípio as atitudes mais radicais, há perigo de se desanimarem ao verem quanto têm que renunciar, de maneira que não farão esforços para reformar-se. Temos de guiar o povo ao longo do caminho paciente e gradualmente, lembrados da profundeza do abismo de que fomos alçados. — Testimonies for the Church 3:18-21 (1870).CRA 468.4

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents